facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 19 de Junho de 2024
19 de Junho de 2024

23 de Maio de 2024, 16h:22 - A | A

POLÍCIA / FLAGRADA EM CARTÓRIO

Juiz concede liberdade provisória a advogada e marido presos por aplicar golpe na venda de imóvel

Profissional ludibriou a vítima na negociação de um apartamento que ela alegou ser proveniente de leilão da justiça trabalhista

THIAGO STOFEL
DO REPÓRTERMT



O juiz Moacir Rogério Tortato, da Vara Criminal de Cuiabá, concedeu liberdade à advogada e ao contador que foram presos nesta terça-feira (21) por estelionato e falsificação de documentos. Os criminosos foram encontrados dentro de um cartório aplicando um golpe financeiro de R$ 22 mil contra um casal que acreditava estar adquirindo um apartamento.

Leia mais - Advogada e marido são presos aplicando golpe de falsa venda de casa em Cuiabá

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

O magistrado entendeu que a conduta da advogada foi mais 'severa', por ostentar a posição de advogada e deveria adotar conduta compatível com a profissão. Além disso, foi verificado ainda que a mulher possui diversos processos ativos contra ela, indicando que a conduta criminosa é recorrente.

Já contra seu marido, o juiz entendeu que embora os indícios evideciem a partipação dele nos crimes, não há informações que ele seja reicidente. Contra o homem, existe apenas uma medida protetiva e um inquérito policial, ambos já foram baixados.

"Ademais observou-se sua relativa idade, além do fato em questão, embora extremamente aflitivo para a sociedade e para as vitimas, não ser crime com emprego de violência, pelo que lhe cabe a concessão de liberdade provisória", diz a decisão.

RELEMBRE O CASO

A vítima procurou a Delegacia Especializada de Estelionatos e relatou que conheceu a advogada, que informou ter um imóvel para venda proveniente de um arremate em leilão da Justiça do Trabalho.

Acreditando na idoneidade da advogada e nas informações fornecidas, a vítima negociou a compra do apartamento e deu o valor de R$ 22,792 mil, como entrada, que foi transferido na conta de um dos suspeitos.

Após a negociação, a vítima verificou que os documentos apresentados do imóvel eram falsos. O Tribunal Regional do Trabalho informou que o apartamento em questão não está em leilão, tampouco existe processo de penhora e o suposto documento de arrematação apresentado pela advogada foram fraudados e se tratava de um golpe.

A advogada havia combinado com a vítima para esta terça-feira a transferência do imóvel, em um cartório de Cuiabá. Uma equipe da Delegacia de Estelionato seguiu ao local e flagrou a profissional e um comparsa com os documentos falsos.

Comente esta notícia

creusa vieira 24/05/2024

SO AS PESSOAS DE BEM PERDE, CREDO DA NOSSA JUSTICA, PARECE FALHA AFF.

positivo
1
negativo
0

1 comentários

1 de 1