facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 21 de Junho de 2024
21 de Junho de 2024

16 de Novembro de 2022, 10h:50 - A | A

PODERES / SUPOSTA FRAUDE NAS URNAS

Para Botelho, pedido do PL para anular eleições não prospera: “É baseado em suposições"

Para o presidente da Assembleia, até agora "ninguém provou nada" sobre suposta fraude nas eleições

EUZIANY TEODORO
DAFFINY DELGADO



O presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, deputado Eduardo Botelho (União Brasil), minimizou o pedido de anulação das eleições 2022, que deve ser protocolado pelo Partido Liberal (PL) ainda esta semana, junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O PL, partido do presidente Jair Bolsonaro, que saiu derrotado no segundo turno para Luiz Inácio Lula da Silva (PT), realizou duas auditorias sobre as urnas eletrônicas e, segundo um dos relatórios, “estudos estatísticos teriam identificado interferência indevida nos percentuais de votação dos candidatos”.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Para Botelho, “pedir anulação todo mundo pede”, mas não vê motivos para anular.

“Pedir todo mundo pede. Até quem perde Copa do Mundo, quem perde jogo de futebol... faz parte do jogo. Agora, vai anular baseado em suposições?”, questiona.

Para ele, até que se prove, de fato, ter havido algo ilegal, não há que se falar em anular. “A menos que prove que houve alguma coisa errado nas eleições. Até agora, ninguém provou nada”, disse.

Desde o resultado do segundo turno, o Brasil foi tomado por manifestações de pessoas descontentes. Rodovias chegaram a ser bloqueadas, mas os protestos, agora, estão sob controle, sem interferência do direito de ir e vir.

Para Botelho, as manifestações são um direito da população. “É um direito, eles podem ficar, não tem problema nenhum. Eu tenho dito sempre: se você não está trancando rua, não está agredindo ninguém, não tem problema, é um direito fazer a manifestação”.

LEIA MAIS - PL, partido de Bolsonaro, vai pedir anulação das eleições de 2022

Comente esta notícia