Cuiabá, 20 de Agosto de 2022
logo

27 de Dezembro de 2017, 17h:22 - A | A

PODERES / INVESTIMENTO

Governador Pedro Taques destina R$ 90 milhões para Infraestrutura

Taques adiantou que, além dos R$ 90 milhões já assegurados para a Sinfra, outro montante está previsto para a Secretaria de Estado de Cidades.

DA REDAÇÃO



O governador Pedro Taques anunciou repasse imediato de R$ 90 milhões para a Infraestrutura e Logística (Sinfra) nos próximos dias, valor que pode chegar a R$ 120 milhões de acordo com estudos da equipe técnica. O anúncio foi feito durante encontro com representantes do Sindicato e empresário da Construção Pesada de Mato Grosso, nesta quarta-feira (27), no auditório Ponce de Arruda, no Palácio Paiaguás. A ocasião também marcou a despedida do ex-secretário de Estado de Fazenda, Gustavo de Oliveira, e o anúncio do substituto dele, Robério Gallo. 

Presidente do Sindicato da Construção Pesada de Mato Grosso, José Alexandre Schutze elogiou o novo modelo de gestão implementado por Taques e secretariado. “Agradecemos por este novo modelo de gestão na Infraestrutura, um modelo republicano de fazer negócios, sério, transparente”, declarou Alexandre, sob aplausos dos empresários, secretários de Estado, ex-secretário Gustavo, do presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho, e do deputado estadual Ondanir Bortolini, o Nininho.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Taques adiantou que, além dos R$ 90 milhões já assegurados para a Sinfra, outro montante está previsto para a Secretaria de Estado de Cidades. O valor não foi divulgado. “Para o próximo ano serão R$ 850 milhões em investimentos em infraestrutura, sem contar o Fethab”, salientou o governador.

Botelho saudou os empresários em nome da Assembleia Legislativa e Nininho enfatizou os investimentos do Governo do Estado em Infraestrutura. “A maior bandeira do Governo Pedro Taques é a infraestrutura. Todos os empresários desejavam isso. Um Governo sério, honesto, que olha para a infraestrutura”.

Secretário-chefe da Casa Civil, Max Russi lembrou que 2017 foi um ano de dificuldades financeiras. “O governador se empenhou para conseguirmos o recurso da Conab em Brasília. A folha de pagamento subiu mais de R$ 2 bilhões por cumprirmos leis deixadas pelo governo passado, que preveem aumentos até 2022. Se o governador não tivesse convocado por concurso pessoal na área de segurança pública, Mato Grosso sofreria o mesmo caos por que passam outros Estados”.

Já o ex-secretário de Fazenda, Gustavo de Oliveira, que permanece em dois conselhos estaduais, prometeu trabalhar duro para mudar a realidade da arrecadação de um Estado rico como Mato Grosso. Segundo ele, o que entra no caixa não pode ser praticamente tudo destinado ao pagamento de folha salarial e previdência. Além de atuar nos conselhos, um deles da MT Parcerias S.A, MT PAR, Gustavo de Oliveira retorna à Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso e, neste sentido, também atuará ao lado do Estado.

Deixando a Procuradoria-Geral do Estado rumo à Secretaria de Estado de Fazenda, Robério Gallo frisou que é inédito um procurador de Estado de carreira assumir a pasta da Fazenda. “Isto mostra que esta é uma gestão republicana. Para mim é uma honra cuidar dos recursos”.

Filho de servidores públicos de Mirassol D´Oeste, Gallo aproveitou para elogiar o antecessor. “Em um ano difícil, árido, o Gustavo foi um titã. Foram pagas 13 folhas salariais dentro do ano trabalhado. Concordo com o Gustavo que não se pode usar tudo o que foi arrecadado com folha salarial e previdência”.

Ele considerou louvável a aprovação da PEC do Teto em segunda votação pela Assembleia Legislativa para propiciar a injeção de investimentos com recursos do Tesouro Estadual. Também será possível com a PEC, segundo ele, quitar os restos a pagar. “Vivemos num Estado rico e vamos viabilizá-lo. Temos o compromisso de não aumentar a carga tributária de quem paga em dia”, concluiu.

Também participaram do encontro os secretários da Sinfra, de Desenvolvimento Econômico e de Cidades, Marcelo Duarte, Carlos Avalone e Wilson Santos, respectivamente.

Comente esta notícia

Carlos 29/12/2017

O acordo era que o TCE aprovasse as contas do governador, inclusive o contrato "emergencial de combustível" sem licitação e o Taques apoiaria Antônio Joaquim ao governo. Antônio Joaquim cumpriu sua parte no acordo e o governador articulou o afastamento dos conselheiros na Justiça para não ter que cumprir a sua parte. Não tem inocentes nesta história. Nenhum dos dois se elege.

Mirian chagas dos Santos 28/12/2017

Concordo plenamente com você colega mais uma vez nois servidores contratados ficamos em último caso,eita governo de merda,vem 2018 vamos prestar atenção em que votamos.

Contra parasitas 27/12/2017

Um parasita DE SILVAL DETECTED....DEVERIA ESTAR COM CANCER.

Armindo de Figueiredo Filho Figueiredo 27/12/2017

HARR I!!! HARRI....Estão fazendo "FARRA" com o repasse do FEX". Todo mundo,está recebendo esse dinheiro, conforme , vem propalando a mídia em todos os jornais virtuais de MT, Parece que ""este"" ganhou na "LOTERIA". Está dando o DINDIN do FEX para órgãos que nunca sonhava em receber. Agora .. são PREFEITURAS (DE NORTE A SUL), SINFRA, Assembleia, tribunais, Secretarias etc e etc...E lendo mais uma vez, esta MATÉRIA, não há nenhuma ""LINHA"" falando da QUITAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO!!! MARAVILHA !!!!!Antes ... há meses atrás quando estava catando "MILHO"(já dizia o próprio Governo), para honrar a folha mensalmente, dizia que no momento, em que o FEX" fosse LIBERADO...SERIA EXCLUSIVAMENTE PARA COLOCAR OS SALÁRIOS DOS SERVIDORES DENTRO DO MÊS TRABALHADO,OU SEJA, dia 30. Mas, pelo que estamos notando, há demais de órgãos com "OLHOS GRANDES"" nesse dinheiro. ALIÁS....ESSE ""RIO DE DINHEIRO"" FOI POUCO!!! Mais uma vez o governo irá faltar com a palavra (como sempre.....). Estamos de olho nesse DINDIN....

4 comentários

1 de 1