Cuiabá, 01 de Fevereiro de 2023
logo

24 de Janeiro de 2023, 15h:37 - A | A

PODERES / ELEIÇÃO DA MESA DIRETORA

Max e Botelho vão repetir "dobradinha" na próxima legislatura

Inicialmente, estava previsto uma disputa entre Max e Botelho pelo comando da ALMT no biênio 2023/2025.

DAFFINY DELGADO
DO REPÓRTER MT



O deputado estadual Wilson Santos (PSD) confirmou, na tarde desta terça-feira (24), que o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (União Brasil), e o primeiro-secretário Max Russi (PSB) "bateram o martelo" e vão repetir a "dobradinha" na disputa pela Mesa Diretora do Parlamento Estadual, que acontecerá no próximo mês.

“O Botelho e o Max estão unidos e vão fazer parte dessa nova legislatura”, afirmou.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Inicialmente, estava prevista uma disputa entre Max e Botelho pelo comando da ALMT, para o biênio 2023/2025. Após intensa articulação entre os parlamentares, tendo em vista que boa parte deles defendia um consenso entre os dois para evitar possível "racha" no Legislativo, foi possível chegar a um acordo.

Segundo Wilson, a composição da chapa única já está definida, com Botelho presidente e Max primeiro-secretário, e deverá ser registrada até o dia 31.

"Não haverá racha, já está feita a composição. O presidente será o Botelho e o primeiro secretário será o Max. As chapas devem ser registradas até o próximo dia 31, não há disputa individualizada por cargos, quem quiser disputar tem que ter os sete cargos da Mesa, por chapa, e não há racha nenhum", declarou.

A chapa

Nos bastidores, a informação é que a composição abrange Botelho na presidência da Mesa, Max Russi como primeiro-secretário, Janaina Riva (MDB) na vice-presidência, e Wilson como o segundo vice-presidente.

Além disso, o deputado Valdir Barranco (PT) deverá ocupar a vaga de segundo secretário, Elizeu Nascimento (PL) como terceiro secretário e Valmir Moretto (Republicanos) como quarto secretário.

Leia mais

Max muda o tom e defende consenso para eleição da Mesa Diretora: "A gente não quer dividir"

Comente esta notícia