Cuiabá, 01 de Fevereiro de 2023
logo

24 de Janeiro de 2023, 14h:25 - A | A

GERAL / VEJA O VÍDEO

Sintep causa baderna e desrespeita policiais em audiência sobre militarização de escola em VG

Integrante do Sintep interrompeu a explanação dos militares, empurrou policiais com o corpo e causou tumulto. A situação foi repudiada.

DO REPÓRTERMT



Vídeos que circulam nas redes sociais mostram que integrantes do  Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público (Sintep) tumultuaram e geraram uma verdadeira baderna na audiência pública que discutia a militarização da Escola Adalgisa de Barros, em Várzea Grande, na noite dessa segunda-feira (23).

As gravações mostram muita gritaria eu uma das sindicalistas tentando interromper a explanação militar aos pais de alunos. Por várias vezes ela choca o corpo dela contra os corpos de policiais presentes. A situação foi repudiada pela Associação dos Oficias da Polícia e Bombeiros Militar de Mato Grosso, que apontou falta de respeito.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

“Seguindo os ritos técnicos para tal analise, o Tenente Coronel PM Wellington Prado Campos foi designado pela Coordenadoria das Escolas Militares da SEDUC, para fazer a apresentação e durante esta, foi violentamente interrompido por uma membro do SINTEP, desrespeitando não somente o Oficial da PM, mas todos que estavam presentes no local, buscando a todo momento, instigar e fomentar ato violentos, tais atos incompatíveis com os objetivos de uma Audiência Pública”, destaca trecho da nota.

Após muita confusão a proposta de implantação do sistema de escola militar estadual foi recusada pela comunidade escolar. A Assof destacou ainda a postura correta do oficial em não revidar, mantendo a calma, apesar da situação de flagrante, o que o tornou um verdadeiro exemplo para as crianças de respeito aos princípios do Estado Democrático de Direito.

Veja o vídeo:

Comente esta notícia

Jose 25/01/2023

Sintep, tem que cuidar de interesse do servidor, não tem nada haver com audiência pública ou país e alunos, pois se o PM para a audiência e da voz de prisão por falta de respeito com a autoridade militar, algema aí vai falar que é racismo, homofóbico, que é Bolsonarista em fim, por aí vai agora ninguém fala do vandalismo psicológico ela vinha fazendo causando agitação e promovendo bagunça escola militar ensina ordem e disciplina o patriotismo coisas que as escolas de hoje não ensinam mais, mais joga cadeira, agredir professor fisicamente e moralmente pode, mulherzinha atoa vai procurar serviço.

Pepeu 24/01/2023

Depois acontece algum IMPREVISTO fala que é racismo, feminilidade, etc etc Falta de quatambu no lombo. Depois desta vou solicitar o cancelamento da minha contribuição sindical. Até ser obrigatório novamente.

Afonsão 24/01/2023

Esperar o que desse Sintep? Tem q ter escolas militares mesmo, haja vista o nível baixíssimo dessa má educada senhora. Desrespeitosa e ignorante.

Junior 24/01/2023

Que tristeza. As escolas militares já se provaram de excelência. A escola militar melhora e muito os níveis de educação do colégio, basta verem os exemplos. Mas se quer deixaram os policiais explanarem a respeito. E o mais incrível, é que a comunidade se nega a melhorar a educação dos seus filhos. Condena uma geração a mediocridade e ignorância. Lamentável.

rodolfo 24/01/2023

faz o L.

José Antônio 24/01/2023

Isso é bem PT. Partido de baderneiros, agitadores e pilantras. Infelizmente essa raça INFAME " TOMOU O PODER". Dias piores virão. .

EDUARDO S 24/01/2023

Isso é tipico da PETEZADA,,,,FAZOL,,,defendem a baderna e depois os militares que causam confusão,, cade o respeito de ir e vir, depois era só votar,,,igual aintegrante do gruoe de estudante que deu a entrevista dizendo que se a escola virasse militar, teriam o direito a expressão cerceado...eita juventude que a cada dia que passa mais burros ficam...tbem o nine cortou 4,5 bilhões da educação..faze que...senta e chora fia..e uma professora de matematica que deveria dar exemp´lo de educação , faz tudo inverso, ensinando aos alunos que podem peitar qualquer pessoa que diverge do que pensa, inclusive agredir professor...vai vendo no que dará este exemplo...Respeito, Educação em primeiro lugar sempre...

Jorge Melles 24/01/2023

Só pode ser uma petralha enxerida tentando deturpar para aparecer na mídia!!! Professora militante deveria ser presa e indenizar a escola e perder o cargo por desacato e desvio de função... Triste ver nosso País nas mãos de ladrões de dinheiro e de cidadania!!!

8 comentários

1 de 1