Cuiabá, 19 de Agosto de 2022
logo

06 de Julho de 2022, 12h:55 - A | A

GERAL / TIRO E QUEDA

Aula de Paccola ensina "atirar até cair, mesmo pelas costas"; Veja vídeo

Vereador Tenente Coronel Paccola realizou curso ministrado para magistrados do TJMT. Em vídeo ele afirma que “não existe” o conceito de verbalizar durante situação de pessoa armada.

JOÃO AGUIAR
DO REPÓRTER MT



Vídeo que circula nas redes sociais mostra o vereador Tenente Coronel Paccola ministrando curso a magistrados do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT), em 2019, em que ele afirma que “não existe” o conceito de verbalizar durante situação de pessoa armada. Além disso, mesmo se o ‘alvo’ estiver de costas, a recomendação é atirar “até cair”. (Veja o vídeo no fim da reportagem)

O curso custou R$ 450 e foi realizado pela Escola Superior da Magistratura de Mato Grosso (Esmagis), entre os dias 24 e 26 de junho de 2019.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Em um vídeo Paccola aparece fazendo uma simulação para os alunos. Ele está de frente com um homem armado e demonstra o que fazer diante dessa situação. Veja vídeo no final da matéria.

Leia mais

Paccola admite em vídeo que conhecia agente morto por ele

Paccola diz que agiu tecnicamente: "Homem que saca arma para mulher, saca para executar"

“Esse conceito de que tenho que verbalizar, senhores, não existe. Não existe. Na hora que você decidir pegar uma arma de fogo na mão, esqueça a verbalização. Quem falar isso está levando você para óbito”, explica o vereador.

Durante a aula, o Tenente Coronel também explicou que mesmo antes de saber se a arma do criminoso é verdadeira ou não, o tempo de reação não seria suficiente. Ele mostra uma simulação e a orientação de Paccola é de que se o indivíduo sacou arma, é para atirar até o alvo cair.

“Dá tempo? Não vai dar tempo, não tem como fazer isso. Por mais treinamento que eu tenha, não vai dar tempo. Então se ele chegar ‘perdeu’, não vou querer entrar na situação com ele, achando que vou conseguir desviar, fazer um Matrix”, contextualiza.

“Se eu estou em uma situação e ele está de costas, esse elemento está armado, ou você não saca ou se você sacar atira até o alvo cair. Mas quantos tiros eu dou? Até cair”, recomenda.

Morte de agente

Na última sexta-feira (1º), Paccola matou o agente socioeducativo Alexandre Miyagawa, 41 anos, no bairro Duque de Caxias, em Cuiabá, com tiros nas costas. Em todas as declarações, o vereador afirmou que agiu tecnicamente, já que o agente estava armado e ele considerou uma ameaça. Paccola também afirmou que verbalizou para que a vítima soltasse a arma.

“Como técnico no assunto, eu sei que homem não saca arma para ameaçar mulher. Geralmente a ameaça é física, ela é verbal. Quando um homem saca uma arma contra uma mulher, ele saca pra executar. Executa e foge ou executa e suicida”, afirmou. (Confira a declaração em vídeo abaixo)

Paccola conta que passava pela região, quando viu uma aglomeração de pessoas e confusão. Ao descer para verificar do que se tratava, disse que viu Alexandre, conhecido como “Japão”, com arma em punho e ameaçando a namorada, Janaina Sá. Neste momento, teria mandado ele soltar a arma e, ao não ser atendido, atirou e matou o homem.

“Eu me vi no dever de agir. Verbalizei quatro ou cinco vezes para ele largar a arma. Quando ele abaixa a arma, colocando na direção dela [Janaina] e já fazendo a menção de virar para mim, foi quando efetuei os disparos.”

Veja vídeo:

 

Comente esta notícia

kleber junior da silva 07/07/2022

Bom Dia Meus Parabéns. Hoje é ele que esta vivo para contar a historia. Pelos procedimento imputável a ele deu conter a situação para o menos pior.

1 comentários

1 de 1