Cuiabá, 30 de Janeiro de 2023
logo

12 de Dezembro de 2014, 08h:55 - A | A

POLÍTICA / VAGA DE CONSELHEIRO

Riva rebate crítica de Taques e diz que Assembleia vai ter rigor para indicação

A vaga é da ALMT e é desta Casa de Leis que sairá o nome do novo conselheiro. Não vamos admitir interferência de outros Poderes, comentou Riva

DA REDAÇÃO



O presidente da Assembleia Legislativa, José Riva (PSD), afirmou que os pretensos candidatos ao cargo de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE) deverão preencher os requisitos legais para ocupar a vaga. 

Sobre as declarações do governador eleito, Pedro Taques (PDT), que criticou uma possível indicação da ex-secretaria de Estado de Cultura, Janete Riva (PSD), o presidente do Poder Legislativo explicou que é um processo democrático, como prevê a lei, e que as indicações serão avaliadas pelo colegiado. “Quem quiser ocupar o cargo, tem que preencher os requisitos. O governador eleito pode ficar tranqüilo que a Assembleia Legislativa vai cumprir com o seu papel, exigindo rigor”, argumentou. 

Na sessão plenária desta quinta-feira (11), houve a leitura do ofício, que comunicou o parlamento sobre a vacância da vaga de Humberto Bosaipo, que renunciou à cadeira do TCE. 

“A vaga é da Assembleia Legislativa e é desta Casa de Leis que sairá o nome do novo conselheiro. Não vamos admitir interferência de outros Poderes. Pedro Taques precisa entender que a eleição terminou dia 5 de outubro”, reforçou. 

Segundo Riva, a Janete Riva é uma possível indicação, mas nem houve essa discussão. “É um processo de abertura de nomes, como já está colocado o do José Domingos (PSD), ouvi falar do nome da Luciane Bezerra (PSB), é um processo inicial, ainda está aberta a possibilidade de indicação para passar pelo crivo do colegiado”, explicou.

Comente esta notícia

Bruno 12/12/2014

Por isso que gosto do Pedro Taques, atacando o mal pela raiz.

alexandre 12/12/2014

Nenhum deles tem perfil técnico para assumir as funçoes no TCE, seja Bezerra, Riva ou Fraga

Dornele$ 12/12/2014

Nós temos que entender que vivemos em um Estado das "capitania hereditárias". Aquelas da história do Brasil, onde o poder sempre fica entre familiares. Mem de Sá e cia!

3 comentários

1 de 1