Cuiabá, 01 de Fevereiro de 2023
logo

24 de Janeiro de 2023, 12h:40 - A | A

POLÍCIA / VEJA PRESOS

Bandidos que degolaram 4 em Cuiabá são "serial killers"

Cinco membros do Comando Vermelho foram presos pelo crime. Dois seguem foragidos.

JOÃO AGUIAR
DO REPÓRTERMT



Cinco membros do Comando Vermelho foram presos durante a Operação Kalýpto, deflagrada na manhã desta terça-feira (24) pela Polícia Civil. Eles são acusados de sequestrar e matar quatro homens que vieram do Maranhão para Cuiabá para trabalhar, em 2021. 

De acordo com o delegado Caio Fernando Albuquerque, dos 5 presos na operação, dois deles já estavam detidos na Penitenciária Central do Estado (PCE) por outros crimes e outros dois já usavam tornozeleira eletrônica. Para o delegado, os bandidos são “verdadeiros serial killers”.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Os alvos foram identificados como Vinícios Barbosa da Silva (Melancia), de 28 anos; Cleiton Ozorio Carvalho Luz (Mané), de 38 anos; Cleison Thiago Xavier dos Santos Luz, de 23 anos; Marcelo Wagner Cruz de Oliveira (Macaco ou índio), de 34 anos; Igor Augusto da Silva Carvalho (Barbado), de 27 anos.

Leia mais

DHPP fecha cerco contra bando que sequestrou e decapitou 4 em Cuiabá

Dois estão foragidos e foram identificados como Leondas Almeida de Jesus (Léo Maconha, de 25 anos, e Gabriel Ítalo da Silva Costa (Torto), de 28 anos.

O delegado Caio Albuquerque classificou o bando como sendo de alta periculosidade e alguns deles como “verdadeiros serial killers”. “São pessoas de alta periculosidade, pessoas frias. Estamos diante de verdadeiros serial killers, que podem ter matado tantas outras pessoas em Cuiabá e nas adjacências”, afirma.

As investigações apuraram que Tiago Araújo, 32 anos, Paulo Weverton Abreu da Costa, 23 anos, Geraldo Rodrigues da Silva, 20 anos e Clemilton Barros Paixão, também de 20 anos, foram mortos em 2021 por supostamente serem membros de uma facção rival ao Comando Vermelho.

Para o delegado, o homicídio dos maranhenses é um caso sério e preocupante, já que mostra até onde as facções podem ir para matar seus rivais. “Mostra o poder das facções e até que ponto os faccionados chegam para mostrar domínio territorial”.

Ainda conforme Caio Albuquerque, apenas um deles tinha registro criminal e pode ter sido faccionado no Maranhão.

As mortes aconteceram de forma brutal. O delegado citou que as vítimas foram decapitadas, tiveram os dedos cortados, levaram tiros na cabeça e os corpos foram ocultados e ainda não foram encontrados. Mesmo assim, a Justiça será feita.

“Não temos os corpos, mas nem por isso a polícia ficará inerte. Pessoas estão sendo presas e processadas. É uma conversa fiada de que sem corpo não há crime. Há sim e por isso os mandados foram cumpridos”, destacou o delegado.

Ameaças à família

O delegado contou que as vítimas não vieram sozinhas para Cuiabá. Saíram do Maranhão como uma colônia, com várias pessoas, em busca de condições melhores de vida.

Após o crime, as famílias dos mortos buscaram informações sobre as vítimas, e acabaram ameaçadas pelo Comando Vermelho. “Fui com minha equipe lá no Maranhão. [As famílias] foram tocadas de Cuiabá, da noite para o dia. Aqui essas famílias tinham moradia, tinham salário, tinham sustento, tinha comida, lá eles não têm nem mesmo a comida”, salienta.

“Passamos três dias ouvindo os familiares. São pessoas lúcidas, verdadeiras e coesas no que dizem. Todos os depoimentos bastante harmônicos. Você não percebe ali uma conversa sem respaldo. Tudo que eles falaram bateu”, explicou.

Comente esta notícia