facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 13 de Junho de 2024
13 de Junho de 2024

22 de Maio de 2024, 11h:00 - A | A

POLÍCIA / CONSEGUIU LICENÇA

Alvo de operação, delegado afastado do cargo é pré-candidato a vereador

Denis Cardoso de Brito havia conseguido na Justiça o afastamento do cargo para ser candidato a vereador em Goiânia

THIAGO STOFEL
REPÓRTERMT



O delegado Denis Cardoso de Brito, que foi afastado do cargo na manhã desta quarta-feira (22), durante a “Operação Capsicum”, havia conseguido a permissão para se afastar do cargo policial para disputar as eleições deste ano, onde almejava se eleger no cargo de vereador em Goiânia.

LEIA MAIS - Operação afasta delegado que se apossou de Corolla apreendido e fuzil

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

No documento em que o Repórter MT teve acesso, mostra que o policial decidiu se lançar como pré-candidato, e para isso, procurou a Secretária de Planejamento de Mato Grosso no início de abril para conseguir a “licença para atividade política”. Porém, o delegado não obteve reposta sobre a solicitação.

Por conta disso, ele entrou com pedido de liminar na Justiça que foi acatada pelo juiz Márcio Aparecido Guedes da 2º Vara Especializada da Fazenda Pública de Cuiabá.

“Promover a concessão da licença remunerada em favor do Delegado de Polícia Civil DENIS CARDOSO DE BRITO para atividade política, contados a partir de três meses antes do pleito eleitoral até o décimo quinto dia seguinte ao da eleição, como se em exercício estivesse, nos exatos termos da Lei Complementar Estadual n° 407/2010”, diz trecho da decisão.

As investigações da Polícia Civil mostraram que o delegado foi até o Estado de Goiás com um carro apreendido, onde realizou a troca da placa do veículo para não ser pego. Na ocasião, ele foi resolver algumas pendências para sua pré-candidatura a vereador.

Denis Cardoso assumiu o cargo de delegado substituto no ano passado no município de Porto Alegre do Norte.

As investigações apuraram ainda que o mesmo policial estaria em posse de um fuzil, que não era de sua propriedade, incorrendo em crime de posse ilegal de arma de fogo de uso restrito.

Além dessas condutas, é apurado o envolvimento do investigado em outros crimes, bem como em infrações eminentemente administrativas. As ordens judiciais foram expedidas pela Comarca de Porto Alegre do Norte, com base em investigações realizadas pela Corregedoria da Polícia Civil e são cumpridas nas cidades de Confresa e Goiânia (GO). 

Comente esta notícia

Waldir Aparecido Taqued 22/05/2024

Dormi Com barulho desse Trabalha em mt ainda quer ser Candidato a vereador em outro Estado Tá de Brincadeira.

positivo
0
negativo
0

1 comentários

1 de 1