facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 15 de Julho de 2024
15 de Julho de 2024

13 de Junho de 2024, 15h:42 - A | A

PODERES / CHAPADA DOS GUIMARÃES

Vereadora cassada acusa violência de gênero e pede ajuda na Assembleia e Procuradoria

Fabiana foi cassada em razão da acusação de praticar a advocacia em ações contra o município, o que, por sua vez, fere o regimento da Câmara e a Lei Orgânica de Chapada.

DO REPÓRTER MT



A Procuradoria Especial da Mulher da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) recebeu, na manhã desta quinta-feira (13), um pedido de providências protocolado pela vereadora cassada de Chapada dos Guimarães, Fabiana Nascimento Souza. De acordo com relato da parlamentar cassada, ela teria sido vítima de violência política de gênero em todo o trâmite que culminou em sua cassação.

O pedido foi recebido pela deputada estadual Janaina Riva (MDB), que é a Procuradora Especial da Mulher, e por Francielle Brustolin, subprocuradora da Mulher da Assembleia. Agora, a Procuradoria deve analisar os apontamentos de Fabiana e tomar as providências cabíveis para garantir a defesa dela.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

“A Procuradoria Especial da Mulher, a partir deste pedido de providências, vai analisar todos os relatos trazidos pela vereadora e estudar o que pode ser feito no caso em questão para garantir o seu direito à defesa e que a lei seja cumprida no caso em questão. Mas de antemão já vamos pedir que o Ministério Público tanto Federal quanto do Estadual acompanhe o caso por uma perspectiva de violência política de gênero”, disse Janaina.

A vereadora é acusada de praticar a advocacia em ações contra o município, o que, por sua vez, fere o regimento da Câmara e a Lei Orgânica de Chapada. A denúncia foi feita pelo secretário municipal de Governo de Chapada dos Guimarães, Gilberto Mello, porém, tanto Ministério Público, quanto a OAB haviam se manifestado em parecer pelo arquivamento da denúncia por entenderem que não houve ilícito.

Comente esta notícia

Gina 13/06/2024

Virou moda agora. Tudo é violência de gênero. Foi assim a a defensora e agora esta vereadora e vão surgir mais,mais,mais.....abriu precedente.

positivo
0
negativo
0

1 comentários

1 de 1