facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 14 de Julho de 2024
14 de Julho de 2024

18 de Outubro de 2017, 15h:46 - A | A

PODERES / SUSPENSÃO DA PEC DO TETO

Líder do Governo diz que oposição só pensa no 'próprio umbigo'

As críticas do líder do Governo na Assembleia, Dilmar Dal Bosco, foram feitas devido ao mandado de segurança pedido pela oposição e concedido pelo Tribunal de Justiça, determinado a suspensão da tramitação da PEC do Teto de Gastos por cinco dias.

CAROL SANFORD
DA REDAÇÃO



O líder do Governo na Assembleia Legislativa, Dilmar Dal Bosco (DEM), afirmou nesta quarta-feira (18) que a oposição ao governador Pedro Taques (PSDB) não está preocupada com o Estado, apenas com o “próprio umbigo”.

“Temos que ter responsabilidade porque a PEC não é para o governador Pedro Taques, é para o Estado. Eles [oposição] estão pensando no próprio umbigo e não em Mato Grosso e sua população. Só querem causar tumulto, segurando a votação da PEC por vistas”, criticou Dilmar.

As críticas de Dilmar foram feitas devido ao mandado de segurança dos deputados Janaina Riva (PMDB), Alan Kardec e Valdir Barranco, ambos do PT, concedido pelo Tribunal de Justiça, determinado a suspensão da tramitação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do Teto de Gastos por cinco dias.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

“Temos que ter responsabilidade porque a PEC não é para o governador Pedro Taques, é para o Estado. Eles [oposição] estão pensando no próprio umbigo e não em Mato Grosso e sua população. Só querem causar tumulto, segurando a votação da PEC por vistas”, criticou o parlamentar.

Para ele, a “manobra” da oposição é uma “obstrução” à sociedade mato-grossense, já que a PEC deve proporcionar economia aos cofres públicos prevista em R$ 1,3 bilhão, que podem ser destinados a investimentos e custeio.

“Isso é obstruir direito do Estado, direito do cidadão de ter os atendimentos de qualidade. Estamos chegando num caos, hoje recebi a notícia de que paralisaram o Hospital Regional de Diamantino, que não tem recurso. O Governo está com ICMS para os municípios em débito, não conseguimos repassar. Conversei com secretário de Fazenda pra ver se a gente consegue repassar essa semana. Se não, os municípios começam a não pagar seus compromissos”, pontuou Dilmar.

O parlamentar declarou que a decisão judicial deve ser respeitada, porém vai pedir que o presidente da Casa, Eduardo Botelho (PSB), recorra e busque reverter o mandado de segurança.

“Esses atrasos podem provocar o atraso na aprovação final da PEC, que deve ser promulgada até o final de novembro. Caso contrário, o Governo até pode tentar justificar impedimento legislativo para garantir a renegociação da dívida com a União, mas o ideal é que a proposta seja aprovada em tempo hábil”, concluiu o líder do Governo.

Comente esta notícia

Lima 18/10/2017

Como como cidadão pagador de Impostos faço o seguinte comentário acerca desta PEC. A dívida de 1 bilhão de reais com a União é uma merreca comparada com as perdas da LEI KANDIR. É simples, é só imitar o Governo de MS, não aplicar mais a LEI KANDIR em MT. Aí sim, a crise em MT acaba e acaba também a precarização dos serviços públicos em andamento em MT e os pagadores de Impostos mais pobres agradecerão. Governador Pedro Taques, você vai continuar protegendo os super privilégios dos poderosos de MT?

positivo
0
negativo
0

1 comentários

1 de 1