facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 20 de Junho de 2024
20 de Junho de 2024

09 de Dezembro de 2022, 12h:55 - A | A

PODERES / ANÁLISE

Haddad é o próprio Lula na Fazenda com uma agenda puramente pessoal

Para Onofre Ribeiro, Haddad vai atuar apenas para "cumprir os compromisso de Lula"

EUZIANY TEODORO
DO REPÓRTER MT



Em entrevista ao RepórterMT, o analista político Onofre Ribeiro falou sobre os ministros anunciados por Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que assumirão os cargos em 2023.

Entre os cinco primeiros nomes anunciados nesta sexta-feira (9), Lula colocou Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo, no Ministério da Fazenda, pasta que será recriada.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Para Onofre, o nome de Haddad na Fazenda é a própria personificação de Lula no setor, com uma agenda puramente pessoal.

“O Haddad significa literalmente o Lula no Ministério da Fazenda. Portanto é uma agenda dele. E qual é a agenda dele? Não é a do PT e não é a da frente que o elegeu. É uma agenda pessoal, de esquerda”, analisa Onofre.

Haddad é formado em Direito, apenas com especialização em Economia. Sua gestão na Prefeitura de São Paulo foi considerada pífia. Concorreu ao Governo de São Paulo nas eleições deste ano e perdeu para Tarcísio Freitas, candidato do Republicanos, ex-ministro de infraestrutura de Jair Bolsonaro (PL).

Para Onofre Ribeiro, é impossível saber como serão os resultados da gestão de Haddad no cargo, tendo em vista que seu trabalho será apenas cumprir os compromisso de Lula.

"A gente não sabe que compromissos ele [Lula] fez e vai executar através do Fernando Haddad, portanto é um governo de esquerda na Fazenda", disse.

“Fico imaginando o que vem pela frente. É um governo absolutamente de esquerda, ao contrário do que se esperava, que fosse um governo de centro ou de centro-direita. Não tem moderação”, conclui Onofre.

Os minsitros anunciados hoje por Lula são: Fernando Haddad (PT) como ministro da Fazenda; Rui Costa (PT), governador da Bahia, como chefe da Casa Civil; Flávio Dino (PSB), senador eleito, na Justiça e Segurança Pública; Mauro Vieira, embaixador e ex-ministro, em Relações Exteriores; e José Múcio Monteiro, ex-ministro do TCU, como ministro da Defesa.

Comente esta notícia