facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 15 de Julho de 2024
15 de Julho de 2024

17 de Junho de 2024, 15h:54 - A | A

GERAL / INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL

Líder nacional na produção de biodiesel, Mato Grosso tem potencial para chegar ao topo mundial

A estimativa é de que até 2030 o Estado possa dobrar a produção de biodiesel atingindo cerca de 6 bilhões de litros anuais.

MÁRCIA MATOS
DO REPÓRTERMT



Com a maior capacidade produtiva de biodiesel do Brasil (3.329.636 m³ / ano), Mato Grosso, celeiro de produção do país, destaca-se cada vez mais em posição privilegiada desta matriz energética não apenas como o maior produtor, mas também em termos de potencial de crescimento, que de acordo com o Sindicato das Indústrias do Biodiesel de Mato Grosso (Sindibio-MT) pode alcançar o patamar de maior produção mundial de biodiesel, considerando a capacidade de aumento na produção de matérias primas, em especial o óleo de soja.

No cenário atual Mato Grosso é o Estado brasileiro com a maior quantidade de usinas de biodiesel. São 18 unidades com autorização para implantação ou comercialização, sendo destas 15 já implantadas e comercializando, com perspectiva de aumento para os próximos anos. A produção de biodiesel mato-grossense em 2023 foi de 1.483.311 m³, contra 1.025.051 m³ em 2022, aumento de 30,89%. O Estado tem em fase inicial de implantação duas usinas com capacidade agregadas de 725 m³/dia ou 261.000 m³/ano, fora alguns pedidos de usinas para aumento de produção junto à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do Brasil (ANP), conforme informações do Sindibio-MT repassadas ao RepórterMT.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

"Considerando o potencial de aumento de produção de matérias-primas aliada a capacidade de nosso empresariado e a adoção de políticas públicas que atraiam investidores, não temos dúvidas de que Mato Grosso será o maior produtor de biodiesel do mundo", avalia Alexandre Golemo, diretor-executivo do Sindibio-MT.

"Considerando o potencial de aumento de produção de matérias-primas aliada a capacidade de nosso empresariado e a adoção de políticas públicas que atraiam investidores, não temos dúvidas de que Mato Grosso será o maior produtor de biodiesel do mundo",

Expansão

Mato Grosso é líder nacional na produção de soja, que é a principal matéria-prima para a fabricação de biodiesel no Brasil. O Estado detêm 27% da produção total do país. Além da soja, o Estado também cultiva outras oleaginosas como girassol, algodão e canola. A diversidade e a quantidade de matérias-primas disponíveis proporcionam uma base sólida para a expansão da capacidade de produção de biodiesel.

A estimativa é de que até 2030 o Estado possa dobrar a produção de biodiesel atingindo cerca de 6 bilhões de litros anuais. Nesse cenário Mato Grosso pode desempenhar um papel crucial na promoção de uma matriz energética mais sustentável e no fortalecimento da economia regional, conforme aponta o diretor executivo do Sindibio-MT.

“Sem dúvida é um case de sucesso, por se tratar de um mercado relativamente novo, a primeira autorização de uso do biodiesel misturado ao óleo diesel fóssil remonta de 2005, menos de 20 anos e já se tornou uma indústria pujante, modelo pelo desenvolvimento tecnológico e avanços para todo um setor, em especial nas regiões em que há uma usina de biodiesel, levando desenvolvimento para locais que jamais havia experimentado uma indústria, com a criação de emprego e renda de qualidade, distribuindo renda as mais diversas áreas e replicando em milhares na forma direta, indireta e induzida”, observa.

Reprodução

alexandre golemo

Alexandre Golemo destaca que a indústria de biodiesel é um case de sucesso na agregação de valor

Sustentabilidade e benefícios

O Biodiesel, por ser uma fonte de energia renovável e sustentável, tem revolucionado de forma significativo o mercado de combustíveis. Alexandre Golemo  destaca diversas maneiras pelas quais o biodiesel tem impactado positivamente o mercado, como por exemplo a redução da dependência de combustíveis fósseis; tendo em vista que diversifica a matriz energética brasileira, o que ajuda a mitigar os riscos associados à volatilidade dos preços do petróleo e à instabilidade geopolítica em regiões produtoras de petróleo. Além disso, há o benefício de menor emissão de gases de efeito estufa. Essa fonte de energia renovável e biodegradável reduz significativamente a emissão de gases poluentes quando comparado ao diesel fóssil, promovendo um ciclo sustentável de produção.

“O biodiesel tem revolucionado o mercado de combustíveis ao oferecer uma alternativa mais sustentável e ambientalmente amigável ao diesel convencional. Seu uso crescente está transformando não apenas a forma como nos locomovemos, mas também como pensamos sobre energia e meio ambiente"

“O biodiesel é um combustível de baixa emissão de carbono, uma vez que suas emissões líquidas de Gases de Efeito Estufa (GEE) são significativamente menores em comparação ao diesel convencional, em torno de 80% menos poluente, contribui para os esforços globais de combate às mudanças climáticas e para a redução da poluição do ar, reduzindo também as doenças respiratórias e minimizando os gastos com a saúde”, aponta Golemo.

Estímulo à economia  

A produção de biodiesel utiliza matéria-prima agrícola, como óleo de soja, óleo de palma, sebo animal, óleo de cozinha reciclado e resíduos de óleos vegetais dentre outros, o que cria oportunidades econômicas para os agricultores, incluindo aqui os agricultores familiares, estimulando o desenvolvimento rural e contribuindo para a segurança alimentar ao mesmo tempo em que fornece uma fonte adicional com a criação de empregos e renda bem distribuídos devido a capilaridade em que as plantas de biodiesel são instaladas nas mais diversas regiões do país, além de ajudar a reduzir a quantidade de resíduos e a promover a economia circular, transformando subprodutos em recursos valiosos.

“O biodiesel tem revolucionado o mercado de combustíveis ao oferecer uma alternativa mais sustentável e ambientalmente amigável ao diesel convencional. Seu uso crescente está transformando não apenas a forma como nos locomovemos, mas também como pensamos sobre energia e meio ambiente, impulsionando a transição para um futuro mais limpo e sustentável”, pontua.  

Golemo ressalta ainda que em termos de geração de emprego a indústria de biodiesel é a que mais cria empregos na forma direta, indireta e induzida no Estado de Mato Grosso.

"Para cada emprego na fábrica são criados mais 200, considerando os fornecedores de matéria-prima, as demais empresas e comércio que se instalam para atender a demanda desta, além da agricultura familiar beneficiada com aumento da demanda por oleaginosas e sebo animal. Importante destacar que são criados empregos e renda de forma bastante capilarizada,  já que a grande maioria das usinas estão localizadas em municípios que nunca tiveram uma indústria e às vezes é a maior fonte de renda do local”, reforça.

Desafios e perspectivas

Apesar do grande potencial, Mato Grosso enfrenta alguns desafios, como por exemplo a necessidade de aprimoramento logístico. Para suportar essa expansão é necessário investir em rodovias, ferrovias e hidrovias, que são cruciais para facilitar o escoamento da produção e reduzir custos. 

No entanto, as perspectivas para o futuro são promissoras. Com o aumento da demanda global por combustíveis mais limpos e a contínua busca por alternativas sustentáveis, o biodiesel produzido em Mato Grosso tem um mercado em expansão. A expectativa é que, com investimentos em pesquisa e desenvolvimento, bem como melhorias na infraestrutura e nas práticas agrícolas, o Estado possa consolidar-se como líder nacional e internacional na produção de biodiesel.

Comente esta notícia