Cuiabá, 02 de Outubro de 2022
logo

06 de Dezembro de 2013, 16h:12 - A | A

POLÍTICA / CASO JOÃO EMANUEL

Tabelião afirma que filho de empresária transferiu terreno e enganou a mãe

O Tabelião disse que um funcionário do cartório reconheceu Pablo, que teria pago a transferência com cheque roubado

MARCIA MATOS
DA REDAÇÃO



Uma série de afirmações confusas, podem trazer uma nova versão sobre a transferência dos terrenos, que supostamente, teriam sido dados como garantia pelo ex-presidente da Câmara de Cuiabá, vereador João Emanuel (PSD), ao dono de uma factoring, foi apresentada em depoimento feito, na última quinta (5), pelo tabelião do Cartório do 2º Ofício de Várzea Grande, Hermes Gonçalo Ferreira, ao Ministério Público.

Na cópia do depoimento, o tabelião usa o nome de um funcionário do cartório, a quem se refere apenas como ‘Zezinho’, para afirmar que apesar de negar, Pablo Norberto Dutra Caires, um dos proprietários do terreno, teria assinado uma procuração pública de transferência dos terrenos. Assim como uma mulher dizendo ser Ruth Hércia da Silva Dutra [proprietária dos terrenos e da gráfica em que gravou o vídeo de uma ‘negociação’ com João Emanuel], também teria assinado o documento.

No depoimento o tabelião relata que Pablo foi ao Cartório negar que tenha feito a transação, mas teria sido reconhecido pelo funcionário; ele ressalta que tudo que ele sabe sobre o caso foi narrado pelo funcionário ‘Zezinho’ de sua extrema confiança. Veja aqui

Afirmando que a ‘armação’ contra João Emanuel estaria sendo desvendada, uma matéria de assessoria, ligada ao vereador, foi disparada à imprensa nesta sexta (6) afirmando que os serviços de cartório teriam sido pagos com cheque supostamente roubado do desembargador aposentado Evandro Estábile, pai do sócio de Pablo, Evandro Estábile Filho, no valor de R$ 700,00 cuja a cópia está anexa.

De acordo com a divulgação da assessoria, com a participação presente do sócio, Evandro Estábile Filho, Pablo teria enganado a mãe, de quem dependia uma autorização para lavrar a escritura, levando outra mulher para assinar em seu lugar.


VERSÃO OFICIAL

‘Zezinho’, citado pelo tabelião como ‘prova viva’, também é citado na Medida Cutelar Preparatória, requerida pelo Ministério Público Estadual, sobre as investigações que apontam a participação do vereador João Emanuel em fraudes de documentos de terrenos.

O documento do MPE, apresenta que na transferência dos imóveis, Pablo e Ruth, foram representados por Zezinho Roque de Amorim, repassando a propriedade dos terrenos para Caio Cesar Vieira.

Caio teria recebido os terrenos como garantia por empréstimo feito a João Emanuel.

O QUE NÃO BATE

A data do cheque supostamente dado como pagamento ao Cartório é de 1 de agosto de 2013. A data em que escritura teria sido lavrada, conforme o MPE é de 02 de julho de 2013.

Evandro Vianna Estábile citado como ‘comparsa’ de Pablo, também está na versão do MPE. De acordo com o documento, ele teria sido o primeiro contato de João Emanuel para ‘negociar’ junto aos verdadeiros donos dos imóveis. Em companhia de Amarildo dos Santos, Evandro teria ido até a sede da empresa Neox Visual, na manhã do dia 07 de outubro de 2013 para tentar um acordo.
Ainda de acordo com o documento do MPE, Evandro teria acompanhado João Emanuel na reunião em que Ruth gravou o vídeo usado como principal prova contra João Emanuel.

Clique aqui e veja o documento do Ministério Público


Comente esta notícia

lucas olho 06/12/2013

Kkkkkkkkkkk meu Deus vao prender o Dom Miltom pois é ele o cara no video o Joaozinho foi usado..........

1 comentários

1 de 1