Cuiabá, 02 de Julho de 2022
logo

Quinta-feira, 20 de Outubro de 2011, 17h:33 - A | A

SORRISO

Fraga pode "brigar" nas urnas com a própria esposa

DEM trabalha o nome da esposa do secretário para disputar a Prefeitura

FERNANDA LEITE

O secretário de Desenvolvimento Rural e da Agricultura Familiar (Sedraf), deputado licenciado José Domingos Fraga, pode ser surpreendido nas urnas e disputar a eleição municipal contra sua própria esposa, Itamara Cenci Fraga, dos democratas. O partido vem articulando para que ela aceite entrar na briga pela prefeitura de Sorriso (420 km ao norte de Cuiabá).

De acordo com o presidente do diretório estadual do DEM, Dilceu Dal’Bosco, a cúpula do democratas se reuniu com a esposa do secretário e ela teria mostrado interesse. “Ela continua com nós e é um dos nomes mais indicados para concorrer às eleições municipais de Sorriso. Estamos trabalhando para que isso seja concretizado”, disse o líder político.

Além de Itamara também são cotados: o empresário do ramo da agricultura, Cláudio Zancanaro; vereador Maximiano Vanzella e o presidente do diretório do DEM na cidade, o empresário Valdecir de Rossi, o Taquara.

Sobre as críticas disparadas por Fraga em relação à família Dal’ Bosco, Dilceu disse que porque ele [Fraga] não falou sobre o impasse dentro do partido com os integrantes da legenda. “O cidadão quando não tem motivo fica colocando a culpa em outras pessoas. Ele tem que ser homem e falar a verdade. Nunca decidimos nada na região sem antes consulta-lo”, defendeu-se.

ELEIÇÕES

Ex-prefeito por três mandatos em Sorriso, atual deputado estadual e secretário de Agricultura Familiar do governo Silval Barbosa, Domingos Fraga é cotado para pleitear a vaga nas próximas eleições pelo recém-criado partido PSD. Fraga se filiou no dia 07 desde mês, no último prazo estipulado pela Justiça Eleitoral para quem pretende disputar as próximas eleições.

Os lideres do DEM/MT, os irmãos Júlio e Jayme Campos, também o criticaram por causa da saída repentina do partido. O que de fato foi caracterizado falta de compromisso com o partido. Na avaliação dos líderes políticos.

Comente esta notícia