facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 27 de Maio de 2024
27 de Maio de 2024

13 de Julho de 2010, 20h:18 - A | A

POLÍTICA /

Ex-governador Júlio Campos quer exército na fronteira com a Bolívia



DA REDAÇÃO

Candidato a deputado federal, o ex-governador Julio Campos (dem) defendeu que o Exército ocupe a fronteira do município de Cáceres com a Bolívia, numa estratégia de combate às drogas e armas vindas do país vizinho. Júlio Campos revelou o desejo nume entrevista ao site Midianews.

"Não vamos combater o tráfico de drogas e o contrabando de armas apenas com a presença de policiais militares e um pequeno grupo do Gefron [Grupo Especial de Fronteira]. São 700 quilômetros de fronteira seca, que deve ser ocupada com a implantação de uma força tarefa permanente, o que pretende defender se chegar ao Congresso Nacional", afirmou Julio Campos.

O pensamento do democrata coincide com o discurso do presidenciável José Serra (PSDB). Em visita a Cuiabá, no final de maio, para participar de um ato político partidário, o tucano defendeu a ocupação da fronteira do território mato-grossense afirmando que serve de porta de entrada para a cocaína no país.

Na ocasião, o tucano argumentou ainda que "o Governo boliviano é conivente com a exportação de drogas para o Brasil", o que "acaba com a vida de nossos jovens".

"Vou, pessoalmente, lutar com José Serra para que seja concretizada essa política de Segurança Pública, que é imprescindível a Mato Grosso e ao país", completou Julinho, como o ex-governador é conhecido no meio político.

Estimativa de votos

Confiante em conquistar uma das oito vagas de deputado federal por Mato Grosso, Julio Campos acredita que pode conquistar significativa parcela do seu domicílio eleitoral, que é Várzea Grande.

Após liderar pesquisas de intenção de voto na eleição municipal de 2008, o democrata saiu derrotado no embate com o prefeito Murilo Domingos (PR), que disputou a reeleição. A diferença atingiu 26.831 votos.

"O que vai me favorecer em Várzea Grande é o espírito bairrista do povo de ter um representante na Câmara dos Deputados. Não se explica o segundo maior município do Estado com mais de 300 mil habitantes e 175 mil eleitores não ter um deputado federal. Espero repetir a votação que tive na última campanha para prefeito, que é uma média de 40 a 50 mil candidatos. A minha grande votação acredito que será na baixada cuiabana. Aqui é minha terra, meu linguajar. Candidatos naturais desta região, só eu e a Thelma de Oliveira", afirmou.

Julio Campos é ex-governador, ex-senador, ex-deputado federal constituinte e ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Por conta desta experiência política, é um dos nomes do DEM considerados de peso eleitoral para representar a legenda no Congresso Nacional.

Outros nomes dos democratas que estão na disputa pela Câmara Federal são Leôncio Pinheiro, irmão do senador Jonas Pinheiro e ex-presidente da Empaer (Empresa Matogrossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural), e o pastor Valdemiro, de Rondonópolis, que representa a Igreja Mundial do Poder de Deus.

Comente esta notícia