Cuiabá, 09 de Agosto de 2022
logo

02 de Janeiro de 2018, 07h:00 - A | A

POLÍCIA / ÍNDICE ALARMANTE

Violência contra mulher subiu 11% em 2017; 113 casos por dia

Dados da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) apontam que 34.128 mulheres foram vítimas de violência em 10 meses.

RAUL BRADOCK
DA REDAÇÂO



A violência contra mulher subiu 11% em Mato Grosso se comparado os 10 primeiros meses de 2017 com o mesmo período de 2016. O número equivale a 113 casos diários de mulheres vítimas de crimes no Estado.

De modo geral, 34.128 mulheres sofreram algum tipo de violência entre janeiro e outubro de 2017. Já em 2016, 30.692 casos foram registrados em Mato Grosso.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

>>> Receba notícias no Telegram e fique bem informado

Apesar do aumento geral dos dados, um dos crimes de maior violência, o feminicídio, teve redução. Nos 10 primeiros meses de 2017, 62 mulheres foram assassinadas em Mato Grosso, 12 a menos que o mesmo período de 2016, quando 74 homicídios dolosos – quando há intenção de matar – foram registrados.

internauta

Homem tenta matar esposa em novo são joaquim

Em Novo São Joaquim, homem tentou se matar após atirar na cabeça da ex-mulher.

Em novembro, dois casos ganharam repercussão em Mato Grosso. Em Novo São Joaquim (485 km a Leste de Cuiabá), um homem atirou na cabeça da ex-mulher e depois tentou se matar, no meio da rua. O atirador foi preso em flagrante pelo crime.

Dias antes, Rita Jorge da Silva, 34 anos, foi morta com vários tiros na frente da mãe, de 73 anos, e de uma irmã. O crime aconteceu em Araputanga (345 km a Oeste de Cuiabá). 

De acordo com a Polícia Civil, em ambos os casos os atiradores não aceitavam o fim do relacionamento.

Inimigos íntimos

Conforme a Defensoria Pública do Estado, a maioria dos agressores tem vínculo afetivo com as vítimas e se enquadra na Lei 11.340, conhecida como Lei Maria da Penha, que completou 11 anos.

A Lei 11.340 foi criada em 7 de agosto de 2006 e, desde então, o número de denúncias sobe ano a ano. O aumento das denúncias já era esperado pelos órgãos de segurança pública, como explica a defensora Rosana Leite Antunes de Barros, coordenadora do Núcleo de Defesa da Mulher da Defensoria Pública de Mato Grosso.

“Antes a mulher fazia um boletim de ocorrência e voltava para casa junto com o agressor. Com a lei, ela tem a possibilidade do afastamento imediato do agressor, além de outras medidas, o que garante a integridade de muitas mulheres”, afirma Rosana.

Leia mais

Homem que assassinou ex-mulher bate moto em caminhão e morre

Homem atira em cabeça da mulher e tenta suicídio por não aceitar divórcio

Comente esta notícia