facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 14 de Julho de 2024
14 de Julho de 2024

30 de Novembro de 2017, 19h:27 - A | A

POLÍCIA / APÓS DOIS ANOS

Júri condena homem a 28 anos de prisão por mandar matar adolescente grávida

A vítima estava grávida do mandante do assassinato, que juntamente com o executor, enterrou a garota.

DA REDAÇÃO



O Tribunal do Júri realizado na tarde desta quarta-feira (29), na Comarca de Diamantino, condenou Antônio José de Souza, a 28 anos e quatro meses de prisão em regime fechado, por mandar matar a adolescente grávida, L.S. de J., de 17 anos, com quem teve um caso extraconjugal.
Ele foi sentenciado por homicídio qualificado e também por ocultação de cadáver pelo Tribunal de Júri, presidido pelo juiz Gerardo Humberto Alves Silva Junior.
Após o delito, ocorrido em novembro de 2015, o mandante, juntamente com o executor enterraram a vítima em um sítio, em Alto Paraguai (219 km de Cuiabá). O caso gerou comoção e repercussão não só na cidade, mas em todo Estado.
O crime foi desvendado em julho do ano passado e em junho deste ano o acusado foi pronunciado para ser submetido a julgamento por homicídio com três qualificadoras (mediante paga ou promessa de recompensa, motivo fútil - interromper a gravidez da vítima e ocultar relacionamento extraconjugal e contra a mulher por razões da condição de sexo feminino) e também por ocultação de cadáver.
Ele está preso desde a fase do inquérito policial. O executor do crime foi assassinado em 2016. 
“Perdemos as contas de quantos júris fizemos ao longo deste ano. Esse caso, como outros que tivemos aqui, foi marcante por se tratar de uma menor e também pela forma de como tudo ocorreu. Foi muito delicado, mas que teve um desfecho relativamente rápido para a condenação do réu”, disse o juiz.
 
 

Comente esta notícia