Cuiabá, 27 de Novembro de 2022
logo

14 de Dezembro de 2016, 16h:35 - A | A

POLÍCIA / OPERAÇÃO CRACOLÂNDIA

Força-tarefa da Polícia Civil prende 35 traficantes e fecha 30 'bocas de fumo" em Cuiabá

O trabalho teve como o foco principal os bairros Alvorada e Araés, regiões com conhecidos pontos redutos de comércio de entorpecentes, na Capita

DA REDAÇÃO



A Operação Cracolândia, deflagrada pela Polícia Judiciária Civil na manhã desta quarta-feira (14), resultou na prisão de 35 pessoas envolvidas no tráfico doméstico de drogas e no fechamento de mais de 30 "bocas de fumo" instaladas em dois bairros de Cuiabá.

A ação polcial foi desencadeada pela Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE), da Polícia Judiciária Civil, seguindo diretrizes da Secretaria de Estado de Segurança Pública.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

O trabalho teve como o foco principal os bairros Alvorada e Araés, regiões com conhecidos pontos redutos de comércio de entorpecentes, na Capital.

Nos dois bairros foram cumpridos mais da metade dos 31 mandados de prisão preventiva e 38 buscas e apreensão, totalizando 69 ordens judiciais decretadas pela 9ª Vara Criminal de Cuiabá. 

Entre as pessoas com mandados de prisão cumpridos, oito detentos da Penitenciária Central de Cuiabá (PCE) assinaram a notificação de prisão dentro da unidade. Também foram lavrados sete autos de prisão em flagrante contra os traficantes investigados e flagrados com drogas, armas e dinheiro ilícito.

Nas buscas efetuadas por 200 policiais civis, divididos em equipes, foram apreendidos mais de R$ 30 mil em dinheiro, 4 armas de fogo (1 revólver, 2 pistolas e 1 carabina), munições diversas, 5 veículos (4 carros e 1 moto), 6 quilos de pasta base e mais 100 porções de drogas, entre maconha e pasta base, 22 relógios femininos, além de vários celulares, apetrechos diversos como rolo de plástico filme, cachimbos, entre outros.

Um traficante foi encontrado na cidade de Cáceres, durante o velório de um familiar. O suspeito é Júlio César, conhecido por "Cesinha", que tem passagens por roubo e tráfico de drogas e é morador do bairro Santa Isabel, em Cuiabá. Ele atuava como fornecedor de drogas para usuários e traficantes dos bairros Alvorada e Araés.

Outro preso da operação é Genésio Eufrásio, conhecido ladrão de caixa eletrônico, que já foi preso mais de quatro vezes pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), por roubo de caixas eletrônicos, defensivos agrícolas, e investigado em  roubo de cargas.

Em 2013, o criminoso foi preso no Amapá, por arrombamento de um caixa eletrônico, no município de Santana do Amapá, de onde sua quadrilha teria levado R$ 168 mil em dinheiro.

Segundo as investigações, Genésio teria migrado sua atividade criminosa para o tráfico de drogas. Em sua casa, no bairro Nova Era, em Várzea Grande, os policiais apreenderam  22 relógios, R$ 15.600, dois veículos (Civic e Pálio),1 carabina, 1 pistola, 159 munições, sete celulares e cadernos de anotações do tráfico.  

O delegado titular da DRE, Juliano Silva de Carvalho, informou que entre os presos estão oito moradores de rua, que promoviam o tráfico “formiguinha” – comércio de pequena quantidade de droga -,  para manter o vício.

“Todo o valor adquirido, por conta da dependência, compram em drogas para eles mesmos usarem. Por mais que haja essa dependência não deixa de estar cometendo o crime de tráfico de drogas. Portanto,  essas pessoas moradoras de rua foram presas”, disse.

O delegado também ressaltou o trabalho de investigação desenvolvido pelos policiais nos levantamentos, identificação e qualificação dos traficantes que atuavam na região conhecida por “cracolândia”, próxima à rodoviária de Cuiabá, abastecendo bocas de fumo e mantendo o circulo vicioso de dependentes químicos.

“Qualificamos essas pessoas como traficantes domésticos. Embora tenha o fornecedor, mas o tráfico que movimenta é o tráfico 'formiguinha', de 10, 20 petecas dia, ou a cada três dias. Hoje conseguimos deflagrar essa operação e prender de forma direta, com prisão preventiva, 31 traficantes, que trabalham naquela região e mantém bocas de fumo na localidade, abastecendo o fazendo a venda direta para os usuários.

O secretário de Estado de Segurança Pública, Rogers Jarbas, destacou a importância do trabalho de repressão ao tráfico de drogas, que reflete em outros crimes correlatos como o homicídio, o roubo e o latrocínio.

"Ação qualificada da Delegacia de Repressão a Entorpecentes é extremamente importante, porque não combate apenas o tráfico de drogas, mas também essa repressão  proporciona efeitos em todos os delitos correlatos como os homicídios, roubos e latrocínios, que tanto afeta a população de todo o Estado. É uma ação importante dentro do sistema de Segurança Pública para que tenhamos um final de ano mais tranquilo e a população possa se sentir mais segura", afirmou.

Investigações

Durante seis meses de investigações, policiais da DRE realizaram  monitoramento dos pontos e identificaram mais de 30 bocas de fumo em funcionamento, nas imediações dos dois bairros. 

“Constatamos que era uma movimentação grande nas ruas e residências da região. Iniciamos o trabalho com diligências de campo, levantamentos, vigilâncias. Foram dias de acompanhamentos dos nossos investigadores, concomitante com o trabalho núcleo de inteligência da Delegacia”, explicou o delegado da DRE, Ferdinando Frederico Murta.

A apuração para identificação de traficantes e fornecedores de drogas iniciou com denúncias da população encaminhadas à Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) e ao Ministério Público Estadual (MPE), referente ao fluxo constante de tráfico nos dois bairros.

Participaram da operação mais de 200 policiais civis (delegado, investigadores e escrivães) das delegacias da Diretoria de Atividades Especiais, Diretoria Metropolitana e Diretoria do Interior.

Comente esta notícia