Cuiabá, 02 de Fevereiro de 2023
logo

02 de Dezembro de 2014, 10h:15 - A | A

POLÍCIA / AGENTE VAI DEPOR

Cliente pode ter morrido em 'acerto de contas' entre bandidos e agente da Guarda Municipal de VG

GM teria reconhecido dois homens no mercado como criminosos ou desafetos e iniciado a troca de tiros. Ele deve depor junto com funcionários do mercado na DHPP nesta quarta-feira (3). O agente já foi identificado

JOÃO RIBEIRO
DA REDAÇÃO



A cliente do Mercado Bom Gosto, em Várzea Grande, Ana Cláudia Alves da Silval, de 27 anos, pode ter morrido por causa de um suposto acerto de contas entre os atiradores envolvidos no caso. Ela levou um tiro no peito no dia 22 de outubro durante o que foi tido, em primeira versão, como uma tentativa de assalto ao estabelecimento. 

O delegado Antônio Carlos Araújo, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Cuiabá, explicou que, após o crime, a Polícia recebeu a informação que os outros dois homens que trocaram tiros com o agente da Guarda Municipal de VG, não teriam chegado a anunciar o roubo,  como foi relatado à PM. “Houve muitos boatos após o crime e, por isso, temos que checar todas essas informações para ver quais são verdadeiras”, destacou. O GM não teve o nome revelado, ainda. 

O crime ocorreu no Supermercado Bom Gosto, no bairro Jardim dos Estados, em Várzea Grande. O guarda municipal teria "reagido" ao suposto roubo e iniciado a troca de tiros. Versão que, agora, pode cair por terra. Ele foi identificado na investigação e deve depor junto com funcionários do comércio, nesta quarta-feira (3). 

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão


Segundo o delegado, a hipótese de execução não é descartada. Já que existe a possibilidade do GM ter reconhecido os dois homens no mercado como criminosos ou desafetos e, por isso, ter iniciado a troca de tiros. No tiroteio, além de Cláudia, outras duas pessoas foram baleadas, mas sobreviveram e receberam alta médica dias depois. Os dois homens que trocaram tiros com o GM seguem foragidos e não identificados.

O delegado ainda deve apreender a arma do GM para entregar a Perícia Oficial de Identificação Técnica (Politec), que irá fazer o exame balístico. "Com a conclusão do laudo, vamos saber se os tiros que saíram da arma dele (GM) foram os que atingram as vítimas", explicou. 

O tiroteio que matou Ana Cláudia ocorreu por volta das 17h do dia 22 de outubro. além de Ana Cláudia, que morreu baleada no peito, Larissa Valéria levou um tiro no  quadril e um adolescente foi atingido de raspão em um dos braços. Equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) levou os três ao Pronto-Socorro Municipal. No entanto, Ana Cláudia morreu dois dias depois, no Hospital Santa Rosa, na Capital. 

GM NEGOU

No dia 28 de outubro, o comandante da Guarda Municipal de Várzea Grande, Louriney Santos, negou ao RepórterMT a informação de que um de seus agentes tenha estado na cena do crime, mas disse que, na ocasião que, se for comprovado, vai colaborar com as investigações. “Testemunhas teriam dito para a Polícia Militar que o homem que reagiu a ação dos bandidos seria um servidor da GM. Porém, até o momento, esse homem não foi identificado e não sabemos de fato, se é servidor da corporação. Futuramente, caso se comprove que ele seja um agente, vamos fazer o máximo possível para colaborar com as investigações”, explicou naquela data. 

LEIA MAIS

Guarda Municipal nega participação de agente em assalto que deixou cliente morta

Família e amigos enterram corpo de jovem morta durante tiroteio em mercado

Em estado grave, mulher baleada em mercado precisa de sangue





Comente esta notícia

Alessandro jose de magalhaes 04/12/2014

A GM em cidades ou capitais com menos de 500mil habitantes tem porte em serviço, mesmo que ele tenha porte particular não pode andar armado na rua a identidade funcional da GM de VGinforma porte em serviço!

1 comentários

1 de 1