facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 15 de Julho de 2024
15 de Julho de 2024

13 de Junho de 2024, 07h:00 - A | A

PODERES / MAIS IMPOSTOS

Wellington: Governo Federal está preocupado em arrecadar; a gastança continua

As críticas da oposição e de setores do agronegócio e da indústria, inclusive de nomes que apoiaram a eleição do atual governo, aumentaram nos últimos dias após Lula editar a Medida Provisória 1227/2024

APARECIDO CARMO
DAFFINY DELGADO
DO REPÓRTERMT



O senador Wellington Fagundes (PL) disse que a maior preocupação do governo do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), é arrecadar mais impostos e gastar. A fala foi feita na segunda-feira (10) em conversa com a imprensa.

As críticas da oposição e de setores do agronegócio e da indústria, inclusive de nomes que apoiaram a eleição do atual governo, aumentaram nos últimos dias após Lula editar a Medida Provisória 1227/2024, que restringe o uso de créditos de PIS/Cofins. Estima-se que apenas o agronegócio teria um prejuízo de R$ 10 bilhões ainda neste ano, caso a MP fosse validada pelo Congresso Nacional.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

“Infelizmente para o Brasil está sendo muito ruim o governo do atual presidente, Lula. Um governo que está muito preocupado em arrecadar, arrecadar, arrecadar e a gastança continua”, disse o senador.

O parlamentar ainda comparou a administração de Lula com o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). O atual governo tem o dobro de ministros da última administração.

“E nós temos que fazer comparação: no governo Bolsonaro tinha 21 ministérios e agora já está com 42. E criou mais um pela crise do Rio Grande do Sul”, pontuou o senador.

A Medida Provisória é uma forma de bancar a desoneração da folha salarial de 17 setores da economia e dos municípios até o ano de 2027. Ela tem força de lei, mas se não for validada pelo Congresso Nacional dentro de 120 dias, ela perde o valor.

Segundo a equipe econômica do governo, isso poderá garantir um aumento de R$ 29,2 bilhões na arrecadação ainda em 2024, sendo que desse montante R$ 17,5 bilhões viriam da compensação geral de PIS/Cofins e R$ 11,7 bilhões referentes ao crédito presumido.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), devolveu parte da MP da Compensação ao governo Lula (PT) nessa terça-feira (11). Os trechos devolvidos, segundo Pacheco, são inconstitucionais.

Comente esta notícia