Cuiabá, 12 de Agosto de 2022
logo

19 de Dezembro de 2017, 11h:54 - A | A

GERAL / MORTE DE ALUNO

Juíza nega pedido de tenente Ledur para converter crime de tortura em maus-tratos

A decisão é da segunda-feira (18) e consta no diário de Justiça desta terça-feira (19). Também foi mantida audiência para janeiro de 2018.

RAUL BRADOCK
DA REDAÇÂO



A juíza Selma Rosane de Arruda, da 7ª Vara Criminal, negou o pedido da defesa da tenente Izadora Ledur, para converter o crime de tortura, do qual é acusada, para maus-tratos. A tenente é acusada de tortura durante treinamento de alunos do Corpo de Bombeiro Militar, fato que culminou na morte do jovem Rodrigo Claro.

A decisão é desta segunda-feira (18) e foi publicada no Diário de Justiça desta terça-feira (19).

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Ante o exposto, acolho os embargos de declarações, mas indefiro os pedidos de absolvição sumária, desclassificação do crime de tortura para maus-tratos e trancamento da ação penal. Com fundamento no artigo 5º, LXXVIII, CF, por economia processual e eficiência”, determinou a magistrada.

Na mesma decisão, foi mantido uma audiência de instrução e julgamento para o dia 26 de janeiro, às 14 horas.

A morte

Rodrigo Claro era aluno do 16º Curso de Formação de Soldado Bombeiro do Estado de Mato Grosso e morreu no dia 15 de novembro de 2016. Ele passou mal durante aula prática de primeiros-socorros aquáticos na Lagoa Trevisan, em Cuiabá, quando a tenente Izadora Ledur atuava como instrutora.

De acordo com a denúncia do Ministério Público do Estado (MPE), a vítima demonstrou dificuldades para desenvolver atividades como flutuação, nado livre e outros exercícios e, diante da situação, a tenente utilizava métodos abusivos nos treinamentos para puní-lo.

Depoimentos colhidos durante a investigação indicam que Rodrigo foi submetido a intenso sofrimento físico e mental. O MPE denunciou o "perfil perverso da tenente como instrutora".

Ledur chegou a ser afastada das atividades após apresentar sete atestados médicos para tratamento de saúde, como depressão, desde a morte de Rodrigo e segue afastada até janeiro de 2018.

Tortura em treinamento

Recentemente, o ex-aluno bombeiro Maurício Santos, que participou do 15º curso de Formação do Corpo de Bombeiros, afirmou ter sido torturado pela tenente Izadora Ledur. Ela foi acusada de ser responsável pela morte do aluno Rodrigo Patrício Lima Claro, 21 anos, em novembro de 2016.  Maurício afirmou que estaria morto caso não tivesse desistido das aulas.

Leia mais

'Só estou vivo porque desisti', diz ex-aluno sobre curso que matou bombeiro aspirante

TJ retira tornozeleira e permite volta de tenente aos Bombeiros

Juiz marca audiência de tenente acusada por morte de aluno para 2018

Juiz mantém liberdade de tenente acusada de torturar e matar aluno

Associação diz que tenente está em depressão após acusações

Associação isenta tenente por morte de aluno em treinamento

MPE recorre de decisão de juíza e pede prisão de tenente acusada de torturar aluno

Tenente dos Bombeiros acusada de torturar aluno tira licença médica até outubro

Comente esta notícia