facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 25 de Maio de 2024
25 de Maio de 2024

17 de Julho de 2010, 12h:05 - A | A

POLÍTICA /

Líbano aposta em táxis aquáticos para acabar com engarrafamentos

G1



No Líbano, um pequeno país na costa leste do mar Mediterrâneo com grandes problemas de trânsito, a mais nova alternativa de deslocamento é o táxi aquático, uma proposta de um empresário mexicano-libanês, que espera iniciar as operações em 2011.

O criador do projeto "Beirute Water Taxi", Khaled Taki, contou à Agência Efe que a ideia nasceu quando dois de seus empregados se demitiram, justificando que não aguentavam mais os engarrafamentos diários no trajeto entre suas casas e a empresa na capital libanesa. "O táxi aquático é o único meio para resolver este problema da região", declarou Taki, presidente da Franchise Business Consultants (FBC) de Beirute.

Para ele, o serviço de táxi em barcos de diferentes tamanhos é comum em cidades como Nova York e Londres, onde seus filhos estudaram e vivem.

O novo meio de transporte ainda não circula no Líbano, mas está previsto para que os primeiros barcos comecem a circular em junho de 2011. O único entrave para a inauguração do serviço é a aprovação da lei que regulariza o transporte marítimo, "inexistente no país e sem a qual será impossível levar o projeto adiante", disse o empresário.

O Líbano tem uma superfície de 10.452 quilômetros quadrados - o equivalente à Região Metropolitana de São Paulo e à Baixada Santista, juntas. Além de não ter mais onde ampliar sua infraestrutura, o país enfrenta um caos no transporte público, rendido ao trajeto por estradas mal organizadas.

Os deslocamentos diários se transformam em um pesadelo para milhares de libaneses. Como se não bastasse, não existe metrô na cidade, os trens foram abandonado há anos e o estado das estradas é lastimável.

"As estatísticas indicam que meio milhão de veículos entram e saem todos os dias de Beirute e que 25% deles transportam apenas uma pessoa", ressaltou o criador do projeto

Comente esta notícia