facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 17 de Julho de 2024
17 de Julho de 2024

04 de Outubro de 2017, 08h:43 - A | A

POLÍCIA / OPERAÇÃO CAMPO MINADO

Polícia ‘caça’ 42 traficantes no Pedregal; agente penitenciário está envolvido

A operação denominada “Campo Minado” mobilizou 350 policiais civis, entre delegados, investigadores e escrivães das Diretorias de Metropolitana e Atividades Especiais

DA REDAÇÃO



A Polícia Judiciária Civil cumpre 42 mandados de prisão preventiva e 70 de busca e apreensão, nos bairros Pedregal, Renascer e Jardim Leblon, em Cuiabá, na manhã desta quarta-feira (04), contra o tráfico de drogas. As investigações são da Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE).

A operação denominada “Campo Minado” mobilizou 350 policiais civis, entre delegados, investigadores e escrivães das Diretorias de Metropolitana e Atividades Especiais, para desarticular uma rede de traficantes associados para movimentação de grandes quantidades de droga e abastecimento de bocas de fumo nos três bairros e outros pontos de Cuiabá e Várzea Grande.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Conforme o delegado Frederico Murta, a investigação, que teve o apoio do Núcleo de Inteligência e Setor Operacional da DRE, iniciou há seis meses, com uma série de denúncias informando que após o assassinato do traficante Enatel dos Santos Albernaz, 37 anos, conhecido por “Maninho”, em 22 de novembro de 2015, sua mulher passou a comandar do tráfico de drogas na região.

“Constatamos não somente o envolvimento da ex-esposa de ‘Maninho’ com o tráfico, mas a existência de uma grande cadeia de traficantes associados para distribuição de entorpecentes”, diz o delegado.

 disse Murta.

Conforme a investigação, a ex-esposa de Maninho, iniciais Y.C.M.G, foi identificada como uma das vozes forte do grupo de criminoso, responsável por tomar decisões e articular as transações de grande quantidade de drogas, especialmente, maconha, vinda da fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai.

Tamanho era o poderio da organização, com diversos ‘soldados’ do tráfico de drogas, que até era difícil manter a vigilância para identificação de pontos de comércio de drogas. Mais de 50 bocas de fumo foram catalogadas pela DRE durante a investigação, locais onde também foram feitas prisões e apreensões.

Ao logo da investigação, a Delegacia de Entorpecentes prendeu 11 traficantes, que também terão mandados de prisão cumpridos na operação “Campo Minado”. O trabalho investigativo ainda levou à apreensão de mais de 2,5 toneladas de drogas que nem chegaram a vir para Mato Grosso. Foram apreendidas no primeiro semestre, em Ponta Porã (MS), dentro de um depósito, pela Polícia de Mato Grosso do Sul, com informações da DRE.

A Polícia Civil também descobriu que um agente penitenciário tinha participação ativa na organização criminosa. O agente, lotado no Centro de Ressocialização do Complexo do Pomeri, foi preso na semana passada pela DRE, na posse de 1 quilo de maconha. Ele também teve mandado de prisão cumprido por outros fatos na operação desta quarta.  

Em razão da quantidade de pessoas investigadas, os presos serão levados para a sede da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) de Cuiabá, para os procedimentos da prisão e interrogatórios. As apreensões e flagrantes ficarão na Delegacia de Entorpecentes (DRE).

Comente esta notícia