facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 13 de Julho de 2024
13 de Julho de 2024

13 de Junho de 2024, 07h:53 - A | A

POLÍCIA / CERCO FECHADO

Operação prende bando de matadores em Cuiabá e VG

Um dos casos investigados foi o homicídio que vitimou Onyclei de Souza, conhecido como ‘Jhony, Trocado ou Japão’, ocorrido em março de 2023.

DO REPÓRTER MT



A Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Cuiabá deflagrou, na manhã desta quinta-feira (13), a “Operação Sicários” para cumprimento de mandados de prisões e buscas e apreensões contra integrantes de facções  envolvidos em homicídios em Cuiabá e Várzea Grande.

O planejamento estratégico teve início com a análise criminal e mapeamento dos inquéritos policiais que reuniam indícios de autoria de crimes praticados a mando de facções criminosas na região metropolitana de Cuiabá.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Para a continuidade dessas ações, a DHPP tem feito esse planejamento para reprimir crimes violentos, com atuação repressiva qualificada, impactando, diretamente, na prevenção a delitos com as prisões dos executores”, pontuou o titular da unidade especializada, delegado Rodrigo Azem.

Casos apurados

Um dos casos investigados pela DHPP foi o homicídio que vitimou Onyclei de Souza, conhecido como ‘Jhony, Trocado ou Japão’, ocorrido em março de 2023. Conforme a apuração, a vítima era usuária de entorpecentes e de álcool e passou por uma casa de recuperação, na Comunidade Pai André, em Várzea Grande. Japão tinha o costume de frequentar e às vezes cometia furtos quando estava embriagado.

Em um dos delitos ocorridos, ele furtou a motocicleta de um traficante do bairro. Contudo, a família da vítima devolveu a motocicleta no dia seguinte, uma vez que Onyclei não furtou com intuito de ficar com o bem e os familiares não queriam problema com o traficante.

Entretanto, o traficante determinou a um integrante responsável pela ‘disciplina’ da organização criminosa que a vítima fosse morta e a deixassem em frente à casa de recuperação como exemplo a outros usuários.

Os executores espancaram Onyclei até a morte e depois o jogaram na porta da casa de recuperação. As investigações reuniram elementos probatórios que identificaram os responsáveis pelo homicídio.

Outro homicídio, cuja execução foi determinada por uma facção criminosa, ocorreu há sete anos no bairro Dom Aquino, na capital, contra Jair Rodrigues Pinheiro, de 45 anos. A investigação realizada nos últimos meses chegou a evidências que apontaram os envolvidos na morte de Jair Pinheiro e também no desaparecimento do executor desse homicídio.

Comente esta notícia