Cuiabá, 29 de Novembro de 2022
logo

27 de Novembro de 2016, 07h:40 - A | A

POLÍCIA / ONDA DE ESTUPRO

Casos crescem 32% em MT, mas situação é pior; '90% não denunciam, diz defensora'

Em entrevista ao RepórterMT, a defensora pública e presidente do Conselho da Mulher, Rosana Barros aponta que por discriminação, grande parte das vítimas não registra os casos.

LUIS VINICIUS
DA REDAÇÃO



Diante do aumento de ao menos 32% no número de estupros ocorridos de janeiro a setembro deste ano, quando foram registrados 156 casos, sendo 113 denunciados, no mesmo período do ano passado, Mato Grosso tem apresentado situação que vai de encontro com a forte campanha nacional de combate à violência sexual, a defensora pública e presidente do Conselho dos Direitos da Mulher, Rosana Barros, afirmou em entrevista ao , que infelizmente a situação é apenas "a ponta do iceberg". Ela pontua que grande parte das ocorrências não chega ao conhecimento das autoridades por falta de preparo e políticas para atender as vítimas.

“Uma pesquisa divulgada em junho pelo Ipea [Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada] aponta que os números de estatísticas representam apenas 10% dos casos de violência sexual", disse a presidente do Conselho dos Direitos da Mulher, Rosana Barros.

Só na capital, os registros bateram a casa de 30. Já em Várzea Grande, as ocorrências chegaram a 12. Os dados foram divulgados pela Secretaria de Estado de Segurança (Sesp) que não informou os números de outubro.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Rosana aponta que os números divulgados de ocorrências registradas na Grande Cuiabá não representam a realidade. “Uma pesquisa divulgada em junho pelo Ipea [Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada] aponta que os números de estatísticas representam apenas 10% dos casos de violência sexual. O estupro é o crime mais subnotificado do mundo, seja por vergonha das vítimas, por se sentirem culpadas, por tabu”, afirmou.

"O estupro é o crime mais subnotificado do mundo, seja por vergonha das vítimas, por se sentirem culpadas, por tabu”, afirmou Rosana.

A defensora ressalta que a falta de acolhimento num atendimento impregnado da cultura de culpabilização das vítimas afasta as mulheres da Justiça, fazendo com que a maior parte das denúncias não sejam sequer feitas. Depois disso, boletins de ocorrência mal feitos, falta de informação e estruturas precárias no atendimento médico engrossam o caldo que impede que a grande maioria dos casos chegue a julgamento e que os culpados realmente sejam punidos pelo crime que cometeu.

“A mulher muitas vezes tem vergonha de procurar a delegacia. Ela não sabe como será atendida pelas autoridades de todo o sistema de Justiça. O estupro é um delito em que a vítima é julgada junto com agressor. Quando a pessoa é furtada ninguém pergunta para ela por que que ela estava com aquela camisa bonita. Entretanto, quando a mulher procura uma delegacia para dizer que foi abusada sexualmente, as autoridades perguntam: por que você estava com essa roupa? Como se ela não tivesse o direito de usar essa roupa. Então, ainda existe muita vergonha em buscar ajuda e amparo do poder público, infelizmente”.

“A mulher muitas vezes tem vergonha de procurar a delegacia. Ela não sabe como será atendida pelas autoridades de todo o sistema de Justiça. O estupro é um delito em que a vítima é julgada junto com agressor".

Para ela, além da exposição sofrida pelas mulheres estupradas, a falta de punição também é um dos pontos considerados pela vítima que não registra a ocorrência.

“É muito difícil mensurar, mas considerando um dado que temos, que é o da violência sexual no âmbito da violência doméstica, apenas 1% dos casos chegam à uma condenação. Muitos casos não são notificados e, dos notificados na Polícia, muitos são arquivados e outros muitos não geram inquérito policial.

INSEGURANÇA DIÁRIA 

Nesta quarta-feira (23), a Polícia Civil prendeu, Wellington dos Santos Alves, após ser divulgado o retrato falado do estuprador que estava violentando mulheres no Centro de Cuiabá.

O bandido é responsável por ao menos três casos, registrados em apenas uma semana.

Mulher é estuprada e ameaçada de morte no Centro de Cuiabá

 

 

Comente esta notícia

Ana Rafaela 27/11/2016

Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

1 comentários

1 de 1