facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 22 de Maio de 2024
22 de Maio de 2024

25 de Dezembro de 2010, 20h:56 - A | A

POLÍCIA /

Caso Perotto: ex-funcionário baleado deve ser ouvido nesta semana



ADILSON ROSA
DIÁRIO DE CUIABÁ

O decorador Ronilson Marques de Queiroz, o "Roni", de 27 anos, deverá ser ouvido nos próximos dias pelo delegado Márcio Pieroni, como parte das investigações do assassinato do empresário Itacir Luis Perotto, encontrado morto aos 51 anos no último sábado, em Cuiabá. Ronilson, que se mudou recentemente para a cidade de Mirassol D'Oeste (230 quilômetros da Capital), foi vítima de tentativa de assassinato por parte do empresário, ocorrida no dia 5 de novembro, dentro da floricultura de propriedade de Perotto.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Na ocasião, o empresário chegou a ser preso em flagrante pelo crime, ficando algumas semanas presos. Ele respondia pela tentativa de assassinato em liberdade. Roni ficou internado durante vários dias no Pronto-Socorro de Cuiabá (PSC) e, assim que recebeu alta médica, saiu da empresa e se mudou da Capital.

Segundo policiais da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Roni deverá ser o último a ser ouvido, uma vez ser importante saber vários detalhes sobre o que ocorreu no período entre a tentativa de homicídio que sofreu até a morte do ex-patrão.

Após receber alta médica, o ex-funcionário resolveu se mudar para a cidade onde mora seus familiares. Amigos dele disseram que houve um encontro entre ele e Perotto. O empresário teria se comprometido a pagar o tratamento médico que está sendo feito em Cáceres. "Não sabemos como ficou o relacionamento entre os dois, mas, com certeza, não ficou nenhum clima amigável, com ressentimentos de ambas as partes", observou um policial.

O delegado Pieroni ouviu os funcionários da floricultura para saber se a vítima havia comentado sobre quem o estaria ameaçando desde uma suposta tentativa de sequestro ocorrida dias antes do empresário ter atirado em Roni. Antes, ele ouviu a viúva, a empresária Sônia Perotto, cujo depoimento o delegado não quis comentar.

Comente esta notícia