facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 15 de Julho de 2024
15 de Julho de 2024

18 de Junho de 2024, 10h:47 - A | A

POLÍCIA / MORTE NO BOSQUE DA SAÚDE

Advogados de assassinos de Zampieri são multados em 10 salários mínimos por ‘atrasarem’ processo

Antonio Gomes da Silva, Hedilerson Fialho Martins Barbosa e Etevaldo Luiz Caçadini de Vargas foram denunciados pelo Ministério Público Estadual por envolvimento na morte de advogado em Cuiabá.

APARECIDO CARMO
DO REPÓRTERMT



O juiz Jorge Alexandre Martins Ferreira, da 12ª Vara Criminal de Cuiabá, condenou os advogados Neyman Augusto Monteiro, Nilton Ribeiro de Souza, Pedro Henrique Ferreira Marques e Matheus Amelio de Souza Bazzi ao pagamento de dez salários mínimos cada um por “ato atentatório à dignidade da Justiça” por não terem apresentado defesa de seus clientes no processo decorrente do assassinato do advogado Roberto Zampieri.

Os advogados Neyman e Nilton são responsáveis pela defesa de Antonio Gomes da Silva e Hedilerson Fialho Martins Barbosa, apontados como executor e intermediário, respectivamente. Já os advogados Pedro Henrique e Matheus respondem pela defesa do coronel de Exército Etevaldo Luiz Caçadini de Vargas, denunciado como sendo o financiador do crime.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

LEIA MAIS - Três acusados de assassinar Zampieri são denunciados pelo MP

Na decisão o magistrado explica que, mesmo tendo sido intimados por mais de uma vez, os advogados não apresentaram defesa de seus clientes, atrapalhando o andamento do processo e agindo de forma a “procrastinar o andamento processual”.

Os advogados alegaram que não receberam o conteúdo das análises dos aparelhos celulares dos seus clientes, mas tanto o Ministério Público quanto a Polícia Civil afirmam não ter usado o material desses aparelhos no indiciamento e na denúncia apresentadas à Justiça, derrubando o argumento dos advogados.

O magistrado aponta que as partes de um processo “devem cumprir com exatidão as decisões jurisdicionais, e não criar embaraços à sua efetivação, já que tal conduta poderá ser punida como ato atentatório à dignidade da justiça”, permitindo a aplicação de multas pelo magistrado responsável.

“Sendo assim, evidente que a inércia injustificada dos referidos advogados afronta a razoável duração do processo (art. 5º, LXXVIII, da CF), atraindo a imposição de multa, por constituir ato atentatório à dignidade da justiça”, diz trecho da decisão que ainda deixa a possibilidade de rever a necessidade do pagamento da multa se os advogados cumprirem com o seu papel.

LEIA MAIS - Polícia indicia coronel, intermediário e assassino de advogado morto no Bosque da Saúde

O crime

O advogado Roberto Zampieri foi morto a tiros, no dia 5 de dezembro de 2023, quando saia do seu escritório, no bairro Bosque da Saúde, em Cuiabá. Imagens divulgadas à época mostraram queo assassino ficou de tocaia, esperando a vítima sair, e que o atacou quando ele estava em seu carro, uma Fiat Toro.

O coronel do Exército, Etevaldo Luiz Caçadini de Vargas, foi preso no dia 15 de janeiro de 2024, em Belo Horizonte (MG), apontado como financiador da execução. Atualmente ele cumpre a prisão preventiva nas dependências do 44º Batalhão de Infantaria Motorizado, por ser militar.

Antonio, o executor, foi preso em 20 de dezembro de 2023. Já Hedilerson Fialho Martins Barbosa foi preso dois dias depois. As duas prisões foram efetuadas na região metropolitana de Belo Horizonte.

Comente esta notícia