Cuiabá, 09 de Agosto de 2022
logo

20 de Dezembro de 2017, 16h:15 - A | A

PODERES / DUODÉCIMOS ATRASADOS

Taques espera receber FEX na terça-feira para repassar aos poderes

O governador afirma que o valor não resolve o problema, mas ameniza o impacto da dívida.

RAFAEL DE SOUSA
DA REDAÇÃO



O governador Pedro Taques (PSDB) disse que aguarda a liberação dos R$ 497 milhões do Fundo de Auxílio às Exportações (FEX) para “equacionar” pelo menos um “pouco” os duodécimos dos poderes que estão em atraso.  Questionado sobre o valor que deve ser repassado, Taques afirmou que a equipe técnica do Governo vai definir após avaliação.

“Com a vinda do FEX nós vamos tentar equacionar um pouco, mas não vai dar para pagar tudo, no entanto, não podemos deixar os poderes Legislativo e Judiciário perderem suas atribuições”, declarou.

A previsão é de que o valor seja repassado ao Judiciário, Assembleia Legislativa e ao Ministério Público Estadual (MPE) logo após a União fazer o repasse, marcado para a próxima terça-feira (26).

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

>>> Receba notícias no Telegram e fique bem informado

No entanto, o governador afirma que o valor não resolve o problema, mas ameniza o impacto da dívida, que atualmente está em R$ 350 milhões.             

“Com a vinda do FEX nós vamos tentar equacionar um pouco, mas não vai dar para pagar tudo, no entanto, não podemos deixar os poderes Legislativo e Judiciário perderem suas atribuições”, declarou.

Desde a aprovação do FEX, os poderes aguardam a chegada do dinheiro para quitar a folha de pagamento e honrar compromissos com fornecedores.

O presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (PSB), afirmou que seriam necessários R$ 50 milhões para que a Casa pague os funcionários e coloque o pagamento dos fornecedores em dia.

Já o procurador-geral de Justiça, Mauro Curvo, afirmou que precisa de R$ 80 milhões para colocar as contas do Ministério Público do Estado (MPE) em dia. Somente neste ano, o atraso do duodécimo chega a R$ 35 milhões. O restante é referente ao ano de 2016.

“Eu seria o último a desejar que o poder Judiciário, que concretiza os direitos fundamentais do cidadão, e a Assembleia Legislativa, que fez um trabalho belíssimo em 2017, sejam prejudicados pela falta de recursos”, argumentou.

Comente esta notícia