Cuiabá, 06 de Julho de 2022
logo

20 de Junho de 2022, 15h:16 - A | A

PODERES / GUERRA VLT X BRT

STJ extingue ação da Prefeitura que tentava barrar BRT em Cuiabá

Decisão é da ministra Assusete Magalhães e foi publicada no sábado.

JOÃO AGUIAR
DO REPÓRTER MT



A ministra Assusete Magalhães, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), extinguiu uma ação da Prefeitura de Cuiabá que tentava impedir a decisão do governo Mauro Mendes (União) em trocar o projeto de transporte intermunicipal de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) para Bus Rapid Transit (BRT).  

A decisão da magistrada ocorre após a prefeitura se manifestar pedindo por manter a ação, mesmo com liminar negada pela magistrada. “Extinto o processo sem resolução do mérito por ilegitimidade passiva da autoridade indicada como coatora", diz trecho da decisão, que foi publicada na sexta-feira (17).

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

>>> Receba notícias no Telegram e fique bem informado

A Procuradoria-Geral de Cuiabá alegava na ação que a informação da troca do modal foi feita em coletiva à imprensa, sem qualquer consulta à prefeitura. Argumentou também que sequer teve acesso aos estudos realizados pelo governador e que o levaram a decidir pela troca de transporte. 

Leia mais

Tribunal de Contas da União mantém suspensa obra do BRT

Emanuel comunica STJ sobre suspensão do BRT e pede 'medida semelhante'

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, quer que seja mantido o VLT na capital, enquanto Mauro já “enterrou” o projeto e iniciou licitação para as obras do BRT. O prefeito entrou com ação no TCU e os ministros confirmaram decisão liminar, suspendendo todos os trâmites.

Apesar da ação movida pela prefeitura, o governo Mauro Mendes já assinou contrato com consórcio que fará o projeto e a obra do BRT em Cuiabá e Várzea Grande. Com a suspensão do TCU, o governo gasta, em média, R$ 9 milhões ao mês para fazer frente ao contrato, sem qualquer início à execução da obra.

Comente esta notícia