facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 18 de Julho de 2024
18 de Julho de 2024

14 de Outubro de 2017, 08h:37 - A | A

PODERES / ESCUTAS CLANDESTINAS

STJ acata pedido de Taques e tira competência de Perri para investigar caso

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Mauro Campbell, ainda decretou o sigilo do inquérito e de todos os demais procedimentos.

CAROL SANFORD
DA REDAÇÃO



O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Mauro Campbell, acolheu pedido do governador Pedro Taques (PSDB) e determinou que o Tribunal de Justiça de Mato Grosso remeta todo o conteúdo das investigações do esquema de interceptações telefônicas clandestinas, no âmbito das Polícias Civil e Militar, à instância superior. Até então o processo era conduzido no Estado, pelo desembargador Orlando Perri.

A decisão é do dia 11 de outubro, mas só foi publicada na sexta-feira (13). Mauro Campbell ainda decretou o sigilo do inquérito e de todos os demais procedimentos avocados “para que sejam submetidos a criterioso e célere controle judicial, a fim de sustentar os demais atos da investigação”.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Segundo ele, estavam sob análise seis inquéritos no âmbito do TJ, enquanto a mesma investigação também era feita pelo STJ. “Com base no que foi relatado, há, portanto, duas frentes investigatórias relacionadas aos mesmos fatos aqui apurados”.

O pedido para que toda a apuração seja feita pelo STJ foi feito por Taques no dia 25 de setembro, quando Perri determinou o afastamento do ex-secretário de Segurança Pública, Rogers Jarbas.

“Trocando em miúdos, eu mesmo pedi ao STJ para que me investigue. Quem me conhece e conhece a minha história, sabe que sempre defendi que ninguém está acima e nem abaixo da Lei, o que significa que ninguém pode ter vantagens por exercer cargo público, mas que também não pode ser arbitrariamente julgado por quem não tenha a competência de julgar de acordo com a Lei”, escreveu o governador, explicando o pedido.

Mauro Campbell, por sua vez, também acolheu parecer do Ministério Público Federal (MPF), que pediu que os inquéritos fossem avocados ao STJ.

“É certo que a existência de duas frentes de investigação relacionadas aos mesmos fatos e com indícios de envolvimento do governador de Mato Grosso contraria o que dispõe o Art. 78, III, do Código de Processo Penal que determina, no caso de conexão ou continência, a reunião nos feitos de jurisdição de maior graduação”, assinalou o ministro.

Com a determinação, as investigações deixam de ter relatoria do desembargador Orlando Perri, do TJMT, e não serão mais conduzidas pelos delegados Ana Cristina Feldner e Flávio Stringueta.

As investigações culminaram nas prisões dos ex-secretários de Segurança Pública, Rogers Jarbas, de Justiça, Airton Siqueira, da Casa Militar, Evandro Lesco, e sua mulher, Helen Lesco, além de policiais militares, envolvidos no esquema chamado de “grampolândia”.

Comente esta notícia

Juliana 14/10/2017

09:09:36 Desde o início o Desembargador Perri forçou a barra, fingia e afirmava nso ver indícios da participação do Governador no caso dos grampos, até as pedras na rua sabiam que era necessário investigação sobre o Governador. Todo mundo sabia disso, menos o Perri. E ele fazia isso apenas para concentrar nele mesmo a relatoria das investigações. Agiu em benefício da própria arrogância e desejo de poder. Foi parcial, cada decisão era um schou midiatico, muitos adjetivos, exagero de linguagem, pré julgamento, concentração das figuras de vítima, investigador, acusador e Juiz na mesma pessoa, não acatou as advertências do MPE MT sobre seus exageros e fez de tudo para afastar o Ministério Público como instituição da condução das investigações.... Acabou o circo, tomara que o STJ coloque ordem na casa.

positivo
0
negativo
0

Gilstinho 14/10/2017

Eu, creio que o Taques ta é mais preocupando em terminar logo o seu fiasco mandato e se aposentar com um salário de mais de 30 mil, por ter trabalho só quatro anos no serviço publico como ex-governador. Agora quando é para o tralhador normal aí esta gente fica com aquele discurso de que a previdência ta quebrado. É por isso que os politico DEITA E ROLA em cima do pobre.

positivo
0
negativo
0

Marta 14/10/2017

O tribunal de exceção foi desmontado. Achavam que podiam tudo, uma verdadeira inquisição. Que a justiça seja restabelecida!!!

positivo
0
negativo
0

3 comentários

1 de 1