facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 20 de Junho de 2024
20 de Junho de 2024

19 de Novembro de 2022, 08h:30 - A | A

PODERES / “NÃO ESTAVAM ALINHADOS”

Para Janaina, rejeição do agro a Neri e Fávaro é natural, após apoio ao PT

O senador e deputado foram anunciados, nesta semana, como integrantes da equipe de transição de Lula em Brasília.

DAFFINY DELGADO
DO REPÓRTER MT



A deputada estadual reeleita, Janaina Riva (MDB), concordou com a posição da Aprosoja de Mato Grosso que, por meio de nota, disse não admitir que o senador Carlos Fávaro (PSD) e o deputado federal cassado Neri Geller (PP) sejam os interlocutores do agronegócio na equipe de transição do governo do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Para ela, é "natural" a posição da entidade, tendo em vista que durante a eleição eles não estiveram "100% alinhados" com os produtores e decidiram pelo apoio a Lula.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

“Eu vi a declaração da Aprosoja e eu acho natural. Natural porque assim, quando você tem um agronegócio que 90% - ou até talvez mais porque não temos esse número real -, foram contra a eleição do presidente Lula”, declarou em entrevista na quarta-feira (16).

Em nota divulgada na semana passada, a Aprosoja explicou que, ao apoiar as políticas do Partido dos Trabalhadores, Fávaro e Neri divergiram dos valores da classe produtora.

“Ao apoiar as políticas do Partido dos Trabalhadores (PT), que inclusive, apoiam invasões de propriedades privadas, Carlos Fávaro, Neri Geller, e Carlos Augustin entraram diretamente em divergência com os valores conservadores da classe produtora”, diz trecho de manifestação.

Janaina ponderou dizendo que, apesar da posição da entidade, deve-se olhar com “grandeza”, caso Fávaro seja escolhido para comandar o Ministério da Agricultura no governo petista.

“Hoje a Aprosoja entende também que eles não são mais seus interlocutores. Mas como eu disse isso não quer dizer que a Aprosoja não vá sentar com eles. Agora ter eles como interlocutores, isso já é mais forte quando você vai escolher um interlocutor seu você quer que ele esteja 100% alinhado”, disse.

“Para o estado é importante, sim, a gente ter um representante de Mato Grosso. Independente de posição política é um ministério de agricultura e temos que olhar isso com grandeza”, acrescentou.

Na quarta-feira, o vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB), anunciou os nomes do senador e deputado como integrantes do Grupo Técnico da Agricultura da equipe de transição em Brasília.

Leia mais

Alckmin anuncia Fávaro e Neri em grupo de transição; diálogo com setor produtivo será desafio

Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso rejeitam Fávaro, Geller e Augustin

Comente esta notícia

Ricardo Ramos 19/11/2022

Se eu fosse a Aprosoja não aceitaria os 350 bilhões que o Agronegócio leva todo ano.

positivo
0
negativo
0

1 comentários

1 de 1