Cuiabá, 02 de Dezembro de 2022
logo

23 de Novembro de 2022, 20h:21 - A | A

PODERES / VEJA A DECISÃO

Moraes nega pedido do PL e condena o partido a pagar multa de R$ 22,9 milhões

DO REPÓRTERMT



O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, multou os partidos da coligação do presidente Jair Bolsonaro (PL) em R$ 22,9 milhões pelo relatório de auditoria feito pelo PL, em que pede a anulação de votos do segundo turno das eleições de outubro.

Moraes rejeitou o pedido de verificação extraordinária do resultado das eleições 2022 e definiu multa de R$ 22.991.544,60 por identificar, na conduta dos partidos, "litigância de má-fé" – quando alguém aciona a Justiça com má intenção ou deslealdade, para causar tumulto.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Além do PL, a decisão atinge os partidos PP e Republicanos – que também integraram a coligação derrotada em segundo turno.

O documento cita nominalmente, no entanto, apenas o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, e o presidente do Instituto Voto Legal (IVL), Carlos César Rocha, contratado pelo partido para fazer a auditoria.

Na decisão, Moraes também determina:

- o bloqueio e a suspensão dos repasses do Fundo Partidário às siglas até que a multa seja quitada;

- a abertura de um processo administrativo pela Corregedoria-Geral Eleitoral para apurar "eventual desvio de finalidade na utilização da estrutura partidária, inclusive de Fundo Partidário";

- o envio de cópias do inquérito ao Supremo Tribunal Federal (STF), no âmbito da investigação sobre a atuação de uma suposta milícia digital para atacar a democracia e as instituições.

Na representação eleitoral, o partido pediu a invalidação dos votos decorrentes dos modelos UE2009, UE2010, UE2011, UE2013 e UE2015 das urnas eletrônicas, que chegariam a 250 mil unidades e que, consequentemente, daria a vitória do segundo turno ao presidente Jair Bolsonaro. 

Em resposta, Moraes deu 24h para que fosse incluído na ação o resultado do primeiro nas supostas irregularidades, o que não foi feito.

A alegação do partido é de que houve “desconformidades irreparáveis de mau funcionamento” nesses modelos. 

Para ele, apenas os votos registrados nas urnas eletrônicas de modelo UE2020, que representa 40,82% de urnas utilizadas no segundo turno, são "idôneos".

Nessas urnas, conforme o relatório, Bolsonaro recebeu 51,05% dos votos contra 48,95% de Lula (PT).

Reprodução

Decisão do Alexandre de Moraes condena PL

 

Comente esta notícia

Ana na lista 23/11/2022

DECISÃO IDÔNEA. PROCESSO COM 260 PAGINAS, SENDO 220 DE ATO CONSTITUTIVO, PROCURACÔES, ESTATUTO E 40 PAGINAS DE ARGUMENTOS SEM QUALQUER MATERIAL PROBATORIO IDÔNEO. DÁ-LHE LITIGÂNCIA DE MÁ FÉ..KA KA KA KA

Oscar Lombardi Fernandes 23/11/2022

Isso mesmo, punição exemplar pra essa gente criminosa, horrosoa e golpista !!!!!!

Mauro 23/11/2022

Acabou agora o último fio de esperança ,, todos absolutamente todos tem que entra lá e pegar esse bandido na ripa. , Chega de deixar uma desgraça dessa querer tomar o rumo da nação

3 comentários

1 de 1