facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 15 de Julho de 2024
15 de Julho de 2024

03 de Junho de 2022, 15h:27 - A | A

PODERES / FOCO NO ETANOL

Mauro detona Petrobras e promete incentivar o que é produzido no Estado

Para o governador, a proposta do ICMS que tramita em Brasília pode prejudicar a indústria do Etanol.

DAFFINY DELGADO
DO REPÓRTER MT



O governador Mauro Mendes (União Brasil) voltou a criticar a Petrobras e a política de preços dos combustíveis aplicada pela estatal, ao comentar sobre a proposta de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) único sobre os combustíveis, de 17%, que pode ser aprovado pelo Congresso Nacional. Para ele, a proposta pode prejudicar Mato Grosso, que produz Etanol com ICMS abaixo desse índice.

"Aqui no estado de Mato Grosso, de forma inteligente, nós reduzimos o ICMS sobre o etanol, porque nós produzimos álcool em Mato Grosso. Para produzir álcool, nós produzimos milho, para produzir milho, precisamos de mão de obra, de gente trabalhando nos quatro cantos de Mato Grosso", disse.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Segundo Mauro, não faz sentido que ele concorde em incentivar a gasolina, se Mato Grosso produz etanol.

"Agora, querem que eu vá incentivar consumo de gasolina aqui no estado, que vem de outros países, da Arábia, de outros estados brasileiros? Mesmo assim, aqui o ICMS é o mais barato do Brasil, que é 23%. O etanol é 12,5%", acrescentou o governador.

A proposta, que tramita na Câmara Federal, quer limitar o teto do ICMS da gasolina em 17%. Segundo o governador, a indústria do etanol já investiu mais de R$ 6 bilhões no Estado então, aqui, ele vai incentivar o consumo do que é produzido em Mato Grosso.

"O estado de Mato Grosso incentiva consumir aquilo que nós produzimos. Isso é uma política fiscal inteligente. Por isso que a indústria do etanol está explodindo positivamente, está crescendo. Só esse ano temos três grandes indústrias construindo, investimentos de quase R$ 6 bilhões", disse.

"É isso que nós fazemos: entender os problemas de uma forma, talvez não convencional, e atacá-los. Essa política tributária executada pelo governo vai ao encontro desse programa de industrialização e ele está acontecendo. Não foi à toa que nesses três anos a indústria de etanol praticamente triplicou sua produção em Mato Grosso", completou.

Vilã Petrobras

Na entrevista, o governador ainda parabenizou o presidente Jair Bolsonaro (PL) por reconhecer que a grande vilã do Brasil em relação aos combustíveis tem sido a Petrobras.

Até então, Bolsonaro culpava os governadores pelo alto preço cobrado no ICMS.

"Primeiro as coisas têm que ser feitas nesse país com verdade. Um tempo atrás diziam que a culpa era dos governadores. Hoje, o próprio presidente reconhece, parabéns ao presidente Bolsonaro, está reconhecendo que o grande vilão dessa história tem sido a Petrobras e sua política de preços. A verdade foi restabelecida neste cenário", declarou.

Leia mais 

Gallo: Corte de ICMS da gasolina é tiro no pé, vai quebrar indústria do etanol e empregos em MT

Comente esta notícia

Benedito da costa 05/06/2022

Não sou economista, mais sou um consumidor da ponta que sente no bolso todos os aumentos de preços. Porque o governo não isenta ou reduz os impostos dos produtos produzidos no Estado que tem preços em dolares. Da produção total fica 30% no estado e com preço em real subsidiado pelas isenções de impostos dentro desse percentual de produção. Com isso antes e a demanda e reduz substancialmente os preços.

positivo
0
negativo
0

Eduardo 04/06/2022

Lógico, de olho no ICMS do etanol; porque com o valor da gasolina livre de imposto, derrubou a fala de reduzir não vai resolver nada.

positivo
0
negativo
0

neto 04/06/2022

HIPOCRITA.....TA COM MEDO DE FALAR MAL DO PRESIDENTE....QUEM É QUE MANDA NA PETROBRAS?

positivo
0
negativo
0

dom 03/06/2022

agora vai aparecer projetos galaticos pra ganhar votos

positivo
0
negativo
0

4 comentários

1 de 1