Cuiabá, 01 de Fevereiro de 2023
logo

23 de Janeiro de 2023, 17h:07 - A | A

PODERES / ELEIÇÃO DA MESA DIRETORA

Júlio: Sem consenso entre Max e Botelho, será uma disputa que vai deixar sequelas

O presidente da AL Eduardo Botelho (União Brasil) e o deputado Max Russi (PSB), estão na disputa pela Mesa Diretora do Parlamento Estadual.

DAFFINY DELGADO
DO REPÓRTER MT



O deputado estadual eleito, Júlio Campos (União Brasil), avaliou que se não houver um consenso entre Eduardo Botelho (União Brasil) e Max Russi (PSB), na formação de uma "chapa única" para a disputa da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), o pleito poderá deixar "sequelas e ressentimentos".

“Se não tiver chance de ter um consenso, que eu defendo, o ideal para a Assembleia era não ter essa disputa, porque vai ser uma disputa bastante acirrada, vai deixar sequelas, vai deixar um pouco de ressentimento e pode ter até uma desunião na Casa”, declarou em entrevista, na manhã desta segunda-feira (23).

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Botelho e Max disputam a presidência da Casa de Leis para o biênio 2023/2025. O atual presidente do Legislativo convidou Max para compor chapa única, ocupando novamente a cadeira de primeiro-secretário.

No entanto, o grupo político do deputado resiste em aceitar o convite e quer que ele seja o "cabeça de chapa". Apesar disso, a expectativa é que essa decisão seja tomada ainda nesta semana. Botelho já afirmou que conta com o apoio de 14 deputados estaduais, número suficiente para ser reeleito pela quarta vez.

Já Max disse que conta com os votos de 10, mas que ainda busca ampliar o número. A eleição acontece somente após a posse dos parlamentares eleitos na eleição do ano passado, prevista para o dia 1º de fevereiro.

Júlio Campos, apesar de ser defensor da “chapa única”, explicou que os dois nomes (Max e Botelho) são dignos da presidência da AL e se não houver consenso, que vença quem tiver mais votos.

Por fim, ele já anunciou que seguirá apoiando Eduardo Botelho, apesar de ter grande simpatia por Max, já que são do mesmo partido.

"Realmente são dois nomes fortes, dois nomes conceituados, bem preparados e a altura de um páreo à presidência da Casa. Se fosse uma chapa única com Botelho e Max compondo na presidência, ficaria melhor. Mas se não, vamos para o voto e ganha aquele que tiver mais", declarou.

"Sou da União Brasil, o candidato oficial do partido é o Eduardo Botelho e ele sendo candidato como está previsto o meu voto será para o partido, vai ser para o Botelho. Eu gosto do Max, tenho admiração por ele, acho ele um garoto de um futuro muito grande na política mato-grossense, mas entre o meu partido e o PSB eu tenho que ficar com o União Brasil", acrescentou.

Comente esta notícia

Benedito da costa 24/01/2023

Julinho cadê seus dotes de apaziguamento e articulação. Perdeu a habilidade política da boa vizinhança? Sequelas? Lá tá cheio de Covid?

pedro paulo 23/01/2023

Tem que haver disputa mesmo! acabar com esses rodízios que vem ocorrendo!

2 comentários

1 de 1