Cuiabá, 27 de Novembro de 2022
logo

30 de Setembro de 2022, 08h:58 - A | A

PODERES / CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA

Debate tem batalha de direitos de resposta, acusações de corrupção e muito bate boca

Participaram os candidatos Ciro Gomes (PDT), Felipe D"Ávila (Novo), Jair Bolsonaro (PL), Lula (PT), Padre Kelmon (PTB), Simone Tebet (MDB) e Soraya Thronicke (União).

Mateus Rodrigues, Beatriz Borges, Letícia Carvalho
G1



O debate na TV Globo na noite de quinta (29) para sexta-feira (1º) que reuniu sete candidatos à Presidência da República teve batalhas de direitos de resposta, acusações de corrupção e discussões sobre pandemia, educação, fome e desmatamento.

Participaram do debate os candidatos:

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Ciro Gomes (PDT)
Felipe d’Avila (Novo)
Jair Bolsonaro (PL)
Lula (PT)
Padre Kelmon (PTB)
Simone Tebet (MDB)
Soraya Thronicke (União Brasil)

Seguindo a lei eleitoral, foram convidados os candidatos de partidos com representação no Congresso Nacional de, no mínimo, cinco parlamentares, e sem impedimento na Justiça, seja eleitoral ou comum.

Pelas regras do debate, em todos os quatro blocos, os candidatos fizeram perguntas entre si. De acordo com ordem definida por sorteio, um candidato escolhia para quem gostaria de fazer a pergunta, entre aqueles que ainda não tinham respondido no bloco.

Direitos de resposta

O embate entre Lula e Bolsonaro, candidatos mais bem-posicionados nas pesquisas de opinião, começou logo no primeiro bloco de perguntas.

Bolsonaro foi perguntado pelo candidato Padre Kelmon (PTB) sobre a manutenção de programas sociais e sobre os riscos de um retorno da esquerda ao poder. Na resposta, fez diversas críticas aos governos Lula, entre 2003 e 2010.

"Nós não podemos voltar à fase que éramos há pouco tempo, onde era uma cleptocracia, a roubalheira imperava no nosso país. O governo Lula foi o chefe de uma grande quadrilha, dezenas de delatores devolveram R$ 6 bilhões para pegar uma pena menor. Não podemos continuar no país da roubalheira", disse Bolsonaro.

Lula pediu e obteve direito de resposta e, ao usá-lo, devolveu as críticas a Bolsonaro.

"Ele falar que eu montei quadrilha, com a quadrilha da rachadinha dele que ele decretou sigilo de 100 anos, com a rachadinha da família, do Ministério da Educação com barras de ouro? Ele falar de quadrilha comigo? Ele precisava se olhar no espelho e saber o que está acontecendo no governo dele. Saber o que foi a quadrilha da vacina, o oferecimento de US$ 1 por cada vacina importada. Isso não sou eu que disse, é a CPI que está dizendo", disse Lula.

Neste momento, Bolsonaro pediu novo direito de resposta, que foi concedido.

"Mentiroso. Ex-presidiário. Traidor da pátria. Que rachadinha? Rachadinha são teus filhos roubando milhões de empresas após a tua chegada ao poder. Que CPI é essa, da farsa, que você vem defender aqui? O que achou ao meu respeito? Nada. Que dinheiro de propina? Não tenho propina", disse Bolsonaro.

Em seguida, Lula também pediu e obteve, mais uma vez, o direito de resposta.

"Eu vou fazer uma coisa para você [Bolsonaro]. Vou fazer um decreto acabando com o seu sigilo de 100 anos. Para saber o que tanto você quer esconder por 100 anos. Para saber o que esse homem esconde por 100 anos. E eu vou parar por aqui, porque quero que os outros participem do debate. O presidente, quando aparecer por aqui, por favor minta menos", disse Lula.

Em outro momento do debate, Bolsonaro escolheu fazer uma pergunta para Tebet. Ele questionou a candidata sobre o assassinato, em 2002, do ex-prefeito de Santo André Celso Daniel, que era do PT.

Bolsonaro chamou Lula de "mentor do crime". Tebet lamentou que esse tema tenha sido trazido ao debate, em vez de propostas para o país.

"Eu acho que falta ao senhor coragem de perguntar isso ao candidato do PT, que, segundo o senhor, é envolvido, que está aqui. Por que não pergunta para o candidato Lula sobre esse assunto? E vamos tratar do Brasil. Vamos tratar dos reais problemas", criticou Tebet.

Diante da acusação de Bolsonaro, Lula pediu e obteve direito de resposta.

"Estou incomodado de pedir toda hora direito de resposta. Mas é que não é possível conviver com alguém com a cara de pau. Presidente, não é possível. Primeiro, o Celso Daniel era meu amigo. O Celso Daniel era o melhor gestor público que este país teve. Ele foi chamado da prefeitura para coordenar o meu programa de governo de 2002", disse o ex-presidente.

Quando foi sua vez de responder, a candidata Soraya Thronicke lamentou a troca de direitos de resposta entre Lula e Bolsonaro.

"Enquanto eles brigam, a boiada passa. Enquanto eles brigam, nos distraindo, o Brasil passa fome, o Brasil ainda encara escândalos de corrupção", disse Soraya.

Corrupção

A corrupção foi um dos temas mais explorados ao longo de todo o debate. Logo na primeira pergunta, Ciro Gomes disse a Lula que deixou o ministério do governo do petista "por conta das contradições graves de economia [...] e, mais grave ainda, das contradições morais".

Em seguida, Padre Kelmon e Bolsonaro usaram pergunta e resposta para criticar o governo Lula e os governos de esquerda.

Bolsonaro voltou a chamar as gestões do PT de "cleptocracia".

"Ou seja, não podemos voltar a esse estado de coisas que aconteciam há pouco tempo aqui no Brasil, onde a roubalheira imperava", disse Bolsonaro.

Em uma de suas falas, a candidata Soraya também criticou a corrupção. Ela disse que, nos protestos de 2013, achou que o país fosse resolver esse problema. Porém, Soraya disse que se decepcionou, porque a corrupção continua sendo, na opinião dela, um flagelo no país.

"A minha coragem vem lá de trás, de 2013, quando eu levantei da fila dos que reclamam e vim para a fila dos que fazem. Indignada com os escândalos de corrupção do governo PT, e ainda indignada com os escândalos de corrupção que existem", disse Soraya.

"Quando nós levantamos a bandeira, eu, em 2018, e muitos outros candidatos levantamos a bandeira do combate à corrupção, eu achei que ali a coisa fosse realmente andar. Infelizmente, nós, hoje, passamos por essa decepção", completou a candidata do União Brasil.

Ao falar do tema corrupção, Lula procurou defender os governos do PT e afirmou que foi nas gestões petistas que se criaram leis e dispositivos para combater irregularidades na administração pública.

"Nós criamos a lei do acesso à informação, que qualquer pessoa poderia adentrar ao governo pedindo informação e saberia até a cor do papel higiênico do banheiro da Presidência da República. Depois, nós criamos a lei anticorrupção. Depois, nós criamos a lei contra o crime organizado. Depois, nós fizemos a nova lei contra lavagem de dinheiro. Depois, nós fizemos, colocamos a AGU [Advocacia-Geral da União] no combate à corrupção. Colocamos o Coaf na fiscalização de movimentação de bancária atípicas", argumentou Lula.

Veja os vídeos do debate CLICANDO AQUI.

Comente esta notícia