facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 12 de Junho de 2024
12 de Junho de 2024

06 de Setembro de 2021, 16h:58 - A | A

PODERES / ALVO DA PF

Aprosoja nega financiar manifestações e diz contribuir com inquérito

Entidade foi alvo de mandado de busca e apreensão e bloqueio de saque nas contas bancárias por suspeita de financiamento dos atos agendados para 7 de Setembro

CAMILLA ZENI
DA REDAÇÃO



A Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (Aprosoja-MT) negou as suspeitas de financiamento de manifestações antidemocráticas, levantadas pela Procuradoria-Geral da República (PGR), em inquérito que corre em sigilo no Supremo Tribunal Federal (STF).

Por meio de nota, a Aprosoja confirmou ter sido alvo das investigações, que culminaram no cumprimento de mandados de busca e apreensão na tarde desta segunda-feira (6), na sede da entidade. Ainda, afirmou que vai disponibilizar todos os documentos que forem solicitados pela justiça.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

“A entidade preza pelos preceitos legais e constitucionais, e já está disponibilizando toda documentação solicitada, pois é a principal interessada no esclarecimento dos fatos, já que nada tem a esconder da sociedade e principalmente dos seus associados”, afirmou.

Conforme o noticiou, a entidade foi alvo da Polícia Federal em razão de suspeitas em torno do ex-presidente da Aprosoja, o produtor rural Antônio Galvan, que desde o início de 2021 preside a Aprosoja Brasil.

Desde o mês de agosto Galvan é investigado por incitar a população para atos antidemocráticos. Isso porque ele foi clicado ao lado do cantor Sérgio Reis e outros apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), afirmando que os produtores fariam pressão para que o Senado abrisse processo de impeachment contra os ministros do STF.

Leia também - Alexandre Moraes manda rastrear transferências feitas pela Aprosoja a partir de 10 de agosto

Em decisão assinada no dia 4 de setembro, o ministro Alexandre de Moraes determinou, a pedido da PGR, o bloqueio de saques nas contas das duas Aprosoja (de Mato Grosso e Brasil), bem como o rastreio de todas as transferências feitas desde o dia 10 de agosto, com valor mínimo de R$ 10 mil.

Abaixo, confira a nota da Aprosoja:

Em relação à medida judicial cumprida nesta segunda-feira (06.09.2021), na sede da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (Aprosoja-MT), a entidade esclarece que se trata de decisão nos autos do Inquérito 4879/DF que apura a convocação da população, por meio das redes sociais, a praticar atos criminosos e violentos de protesto, às vésperas do feriado de 07.09.2021, durante uma suposta manifestação e greve de “caminhoneiros”.

A decisão determinou: 1) o bloqueio de saques das contas bancárias da Aprosoja-MT, até o dia 8.9.2021, quarta-feira; 2) sejam identificados e informados os valores transferidos a partir das contas bancárias dessa entidade para outras entidades ou terceiros, desde o dia 10.8.2021, a partir do patamar mínimo de R$ 10.000,00.

Aprosoja-MT e seus dirigentes esclarecem que jamais financiaram, apoiaram, ou convocaram a população para atos criminosos e violentos de protesto, às vésperas do feriado de 07.09.2021, durante uma suposta manifestação e greve de “caminhoneiros”.

A entidade preza pelos preceitos legais e constitucionais, e já está disponibilizando toda documentação solicitada, pois é a principal interessada no esclarecimento dos fatos, já que nada tem a esconder da sociedade e principalmente dos seus associados.

Comente esta notícia