Cuiabá, 02 de Fevereiro de 2023
logo

27 de Outubro de 2014, 13h:11 - A | A

JUDICIÁRIO / APOSTILAS DO 'FIM DE MUNDO'

MPE começa ouvir Roseli e Jean sobre supostas fraudes na Setas

Todo o processo de investigação, antes da realização da operação, teve início após erros grotescos encontrados em apostila direcionada para capacitação de profissionais para a Copa do Mundo

ALINE FRANCISCO
DA REDAÇÃO



O Promotor de Justiça Arnaldo Justino da Silva deve começar, na próxima semana, a ouvir os depoimentos dos empresários citados na Operação Arqueiro, deflagrada pela Defaz contra a Secretaria de Trabalho e Assistência Social (Setas) no mês de abril para apurar a existência de  fraude em licitação e convênios envolvendo servidores da secretaria e o Instituto de Desenvolvimento Humano (IDH), além de Microlins e Concluir. 

Ainda resta a análise nos documentos recolhidos durante as investigações para então convocar os envolvidos, entre eles Roseli Barbosa, mulher do governador Silval Barbosa (PMDB) e Jean Estevan Campos Oliveira, que sucedeu Roseli na Secretaria.

 “As oitivas só serão marcadas após análise desses relatórios, mas a previsão é que essa semana ainda seja concluída e determinada a notificação dos empresários citados e investigados para a oitiva que, se tudo ocorrer conforme previsão, deverá iniciar-se a partir da semana que vem”, explica o promotor.

Arnaldo Justino explica que, além dos documentos recolhidos no dia da Operação, no mês de outubro, foram entregues novos relatórios, entre eles o que pede a quebra do sigilo bancário dos envolvidos. “A busca e apreensão na SETAS ocorreu em abril de 2014. Logo em seguida, nomeei uma equipe técnica para fazer análise da volumosa documentação apreendida, bem como, da quebra de sigilo bancário. Em 15 de outubro de 2014, a equipe me entregou 12 relatórios, juntamente com milhares de documentos”. Os documentos foram recolhidos na Setas, nos Institutos Concluir e IDH, escritório de contabilidade OBCONT e nas empresas Mathice e Fênix.

O promotor explicou ainda que as análises dos documentos servirão de base para as oitivas. “Determinei a juntada dos relatórios e dos documentos, coisa que está sendo ainda concluída. Estou simultaneamente analisando os relatórios, retirando de lá subsídios para oitiva de vários empresários citados como suspeitas de terem formulado contratos de fachada para desviarem dinheiro dos convênios”.

Além de ouvir Roseli e Jean, o MPE vai intimar o coordenador de despesas da Setas, Rodrigo de Marchi, os que figuravam como responsáveis pelos institutos "sem fins lucrativos", Edvaldo Portela (Concluir) e Paulo Victor Borges Portela (IDH), Aroldo Portela, Paulo Cesar Lemes, proprietário da Mathice e Fênix, este último apontado como verdadeiro gestor e proprietário dos Institutos sem fins lucrativos, dentre outros.

OPERAÇÃO ARQUEIRO

No dia 29 de abril deste ano, o MPE desencadeou a operação “Arqueiro” na Setas para apurar a existência de  fraude em licitação e convênios envolvendo servidores da secretaria e o Instituto de Desenvolvimento Humano (IDH), além de Microlins e Concluir. 

Esses institutos firmaram contratos milionários com o Estado para capacitação profissional.

Todo o processo de investigação, antes da realização da operação, teve início após erros grotescos que foram encontrados em uma apostila direcionada para capacitação de profissionais para a Copa do Mundo. O erro foi encontrado no município de Santo Antônio do Leverger (27 km de Cuiabá).

Comente esta notícia

Antonio Costa 27/10/2014

TRISTE FINAL DE GOVERNO PARA SILVAL QUASE TODAS AS SECRETARIAS ENVOLVIDA EM CORRUPÇÃO, HAJA CADEIA PARA TODOS. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

1 comentários

1 de 1