Cuiabá, 26 de Setembro de 2022
logo

23 de Setembro de 2022, 07h:00 - A | A

GERAL / POLÊMICA DO PISO

Sindicato descarta greve de enfermeiros em MT

Arlindo Cesar, presidente do Sinpen-MT acredita que a reivindicação por aumento do piso salarial será resolvida sem precisar de greve mais intensa.

JOÃO AGUIAR
DO REPÓRTER MT



Após a paralisação dos profissionais da enfermagem realizada nessa quarta-feira (21) contra a suspensão do novo piso salarial da categoria no Brasil, surgiram rumores de que uma greve geral estaria sendo planejada pela categoria e que ela duraria por alguns dias.

Diversos estados continuaram o movimento grevista nesta quinta-feira (22). É o caso de profissionais de Recife, Curitiba, Salvador e Belo Horizonte, que só encerraram os atos no final da manhã.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Porém segundo Arlindo Cesar, presidente do Sindicato dos Profissionais de Enfermagem de Mato Grosso (Sinpen-MT), a situação está descartada em MT. “Essa situação de greve está descartada no momento. Ontem nós fizemos a mobilização e estamos aguardando o comando lá de cima, de Brasília, a nossa confederação”.

Leia mais

Justiça barra greve de enfermeiros em MT novo piso salarial

Mesmo com greve barrada, enfermeiros ‘fecham’ Centro de Cuiabá em protesto

“Mas eu creio que vai dar tudo certo”, completou Cesar, acreditando que a suspensão feita pelo Supremo Tribunal Federal (STF) à implantação do piso salarial da categoria no Brasil seja derrubada.

O presidente do Sinpen-MT ainda acrescentou que, por conta da paralisação de quarta-feira, diversas empresas estão coagindo funcionários. “Nossa mobilização foi um dia só, e eles estão severamente usando rigor, até o excesso sobre os funcionários. Já estamos nessa revolta, ainda mais isso acontecendo, é muito para nossa categoria”.

Já sobre a multa de R$ 50 mil que havia sido imposta pela Justiça do Trabalho em caso de paralização, Cesar afirmou que a categoria vai recorrer. “Levamos uma multa ainda de R$ 50 mil e vamos ter que ver essa situação ainda. Nosso jurídico está trabalhando para fazer essa defesa. Como nós representamos a categoria, acabou vindo para a gente. Mas nós vamos recorrer sim”, afirmou.

Paralisação

Os profissionais da enfermagem realizaram um movimento nacional nessa quarta-feira. Em Cuiabá, os participantes se concentram no Centro, mais precisamente na Praça Alencastro e Praça da República. A paralização durou 24 horas e terminou nesta quinta-feira (22).

O ato foi para protestar contra a suspensão da implementação do piso salarial da categoria no Brasil. A lei que fixa o salário mínimo de R$ 4.750 para os enfermeiros foi aprovado pelo Congresso Nacional. Porém, em liminar, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou suspensão da lei por 60 dias, até que sejam estudados os impactos aos cofres públicos.

Comente esta notícia