facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 14 de Julho de 2024
14 de Julho de 2024

22 de Setembro de 2017, 07h:00 - A | A

GERAL / NEGLIGÊNCIA MÉDICA

Hospital Geral terá que indenizar mulher com gaze esquecida no abdômen

A paciente irá receber R$ 53,4 mil por danos morais. A vítima só descobriu o erro médico seis meses depois da cirurgia de apendicite, em 2010.

DA REDAÇÃO



O juiz Luiz Octávio Saboia Riveiro, da Terceira Vara Cível de Cuiabá, condenou o Hospital Geral Universitário (HGU) a pagar indenização de R$ 53,4 mil por danos morais e estéticos a uma paciente depois que médicos da unidade esqueceram uma gaze dentro do corpo dela durante uma cirurgia de apendicite, em 2010. À sentença ainda cabe recurso em instâncias superiores.

Na decisão, dada no dia 15 de setembro e publicada essa semana no Diário Oficial da Justiça, a mulher também afirmou que teve o intestino perfurado durante o procedimento.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Por esse motivo, além da multa indenizatória, o magistrado também determinou que o hospital realize cirurgia plástica reparadora depois que a perícia judicial apontou sequelas como novas incisões para reparar a perfuração do intestino para colocação de dreno e cicatrizes.

"Incontroverso que o esquecimento do objeto no abdômen da autora lhe causou e, ainda causa, abalo psicológico", diz trecho da condenação.

Segundo a denúncia, a paciente só descobriu que a compressa estava dentro do corpo e as perfurações no intestino seis meses depois da cirurgia, após sentir muitas dores abdominais. Por causa do erro médico, a mulher precisou passar por nova intervenção, além de passar a utilizar, por cerca de dois meses, uma bolsa de colostomia, sendo que uma terceira operação ocorreu quatro meses depois.

Outro lado

Por meio de nota, o HGU afirmou que vai recorrer da decisão por que há "inexistência de nexo de casualidade e de ato ilícito na medida em que não houve perfuração intestinal”.

Comente esta notícia