facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 23 de Junho de 2024
23 de Junho de 2024

31 de Dezembro de 2022, 16h:35 - A | A

GERAL / A PEDIDO DE INTERVENTOR

Empresário abandona contrato com a Saúde de Cuiabá e pode parar na cadeia

Para Hugo Lima, Milton Correa da Costa Neto tenta rescindir o contrato ilegalmente

DO REPÓRTER MT



O interventor Hugo Lima, nomeado pelo governador Mauro Mendes (União) para assumir a Saúde Pública de Cuiabá pelos próximos seis meses, denunciou ao Tribunal de Justiça o empresário Milton Correa da Costa Neto, da Family Medicina e Saúde, por ter "abandonado" o contrato com a Secretaria Municipal de Saúde. Se não retomar o contrato, Milton pode ser preso.

De acordo com a petição assinada pelo interventor, a Family Medicina e Saúde presta serviços nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA) de Cuiabá e apenas comunicou à Secretaria de Saúde que suspenderia o trabalho na sexta-feira (30).

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

"Ao abandonar, de modo ilegal, com as obrigações previstas em contrato o empresário coloca em risco o atendimento em várias UPAs, causando risco à população", diz o documento.

Hugo Lima deu prazo de duas horas para que Milton volte a prestar o serviço, que inclui médicos plantonistas em todas as UPAs de Cuiabá. Também solicitou que a empresa apresente, no mesmo prazo, a escala atualizada e individualizada de médicos plantonistas de cada unidade de saúde.

“Pelo exposto, resta evidente que o Sr. Milton Correa da Costa Neto busca a rescisão contratual de maneira irregular”, escreveu Lima.

A petição será analisada pelo desembargador do Tribunal de Justiça, Orlando Perri, o mesmo que determinou a intervenção na Saúde, devido a seu "esgotamento e calamidade".

Histórico

Milton é médico e já foi investigado por corrupção junto à Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá. Ele é citado na Operação Overpriced, deflagrada em junho de 2021, e que apura irregularidades desde excesso de compra de medicamentos, sobrepreço e compras sem licitação.

Ele também já foi investigado por nomear os próprios irmãos como diretores de políclínicas na Capital.

O contrato com a Family Medicina e Saúde foi assinato em setembro deste ano, por R$ 5 milhões, e tem validade de 12 meses.

Comente esta notícia