facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 25 de Maio de 2024
25 de Maio de 2024

31 de Outubro de 2010, 17h:38 - A | A

POLÍTICA /

TSE garante que eleições foram tranquilas em todo o país



DO G1

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ricardo Lewandowski, afirmou neste domingo (31) que o segundo turno das eleição, encerrado em oito estados e no Distrito Federal às 17h de Brasília, foi “tranqüilo” e “ordeiro”, sem registros de ocorrências graves, como mortes, feridos por conflitos.

“Estamos tendo eleições muito tranquilas. Os eleitores, de forma pacífica, ordeira, compareceram às urnas e não tivemos incidentes a registrar em relações aos eleitores. Não tivemos registros de mortes ou feridos ou desavença mais séria”, disse Lewandowski.

Os primeiros resultados da votação para presidente da República serão divulgados a partir das 19h, devido à diferença de horário entre as regiões brasileiras.

“Esta é a primeira entrevista coletiva deste início do final do segundo turno, porque como todos nós sabemos em razão do fuso horário das eleições não se encerraram no país. Temos diferença de duas horas. Os primeiros dados sós serão divulgados a partir das 19h até para não influir nas eleições dos demais estados que não terminaram o pleito”, justificou o presidente do TSE.

O presidente do TSE comentouainda algumas ocorrências pontuais nas eleições deste domingo. Entre eles, o furto de R$ 13 mil do cartório eleitoral no município de Goiana (PE), em que assaltantes levaram mais de R$ 13 mil. Segundo Lewandowski a verba era destinada à alimentação dos mesários. “Os servidores se cotizaram e conseguiram repor R$10 mil, o que mostra a solidariedade”, disse.

Segundo o ministro Ricardo Lewandowski, ao todo 150 municípios tiveram reforço da Força Federal para garantir a segurança da votação no segundo turno. Entre eles, o estado da Paraíba que teve o reforço liberado na última sexta-feira (30), depois de deflagrada um greve de policiais civis.

Comente esta notícia