Cuiabá, 01 de Dezembro de 2022
logo

21 de Novembro de 2016, 07h:50 - A | A

POLÍTICA / PROJETOS FUTUROS

Presidente do PP articula vinda de 4 deputados; PR quer reforma política

As articulações já estão ocorrendo tanto na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, quanto em Brasília, com a intenção de acelerar o trâmite da reforma política para que as mudanças partidárias possam ser feitas.

FRANCISCO BORGES
DA REDAÇÃO



O presidente regional do Partido Progressista, deputado federal Ezequiel Fonseca, afirmou que ao menos quatro deputados estaduais estariam sendo 'sondados' para migrarem para a legenda assim que houver uma nova reforma política prevista para ocorrer no começo do próximo ano. “Sondamos quatro deputados e alguns deles demonstraram interesse pela migração, mas não podemos fazer nada até que a nova reforma”, frisou Ezequiel.

“Sondamos quatro deputados e alguns deles demonstraram interesse pela migração, mas não podemos fazer nada até que a nova reforma”, frisou Ezequiel.

Nos corredores da Assembleia Legislativa comenta-se que alguns deputados não estariam contentes com a vitória de outros candidatos em suas bases eleitorais, atribuindo a culpa ao empenho do governo durante o período eleitoral.

Rumores dão conta que pelo menos dois dos deputados que estariam cotados para migrar para o PP seria Leonardo Albuquerque (PSD) e deputado Max Russi (PSB). No entanto, eles negam o fato afirmam que estão satisfeitos em suas legendas.

Para que eles migrassem para o PP seria necessário que abrisse uma nova “janela eleitoral”, a exemplo da que ocorreu no começo deste ano, quando vários deputados trocaram de partidos. Outra possibilidade seria se houvesse uma ampla reforma política partidária em nível nacional.

Quem também está articulando uma reestruturação da sua legenda é o senador Wellington Fagundes que a exemplo de Ezequiel não tem representatividade na Assembleia Legislativa. Presidente estadual do PR, o parlamentar já adiantou ao que assim que houvesse o término das eleições municipais em Cuiabá ele começaria a articular em Brasília para que houvesse celeridade no projeto da reforma.

O senador disse que a pauta da reforma política partidária é prioridade no governo de Michel Temer (PMDB) e que deverá ser discutida no Congresso Nacional assim que as eleições passarem. “Claro que temos outras prioridades, como a reforma tributária, mas essa também é uma questão prioritária”, comentou.    

Segundo o senador, a abertura da janela no começo do ano prejudicou a legenda, pois houve uma debandada de deputados que migraram para outras legendas. Deixaram a sigla, o prefeito eleito de Cuiabá, deputado Emanuel Pinheiro, que foi para o PMDB, assim como os deputados Mauro Savi, que foi para o PSB, Sebastião Rezende, para o PSC, Wagner Ramos e Nininho, que migram para o PSD.

Leia mais sobre esse assunto:

Wellington traça ações para levar lideranças políticas para o PR

Comente esta notícia