Cuiabá, 01 de Dezembro de 2022
logo

11 de Dezembro de 2016, 19h:56 - A | A

POLÍTICA / FRAUDES NA SEDUC

Deputado reclama de delação da Operação Rêmora e diz que não conhece empreiteiro

O deputado Nilson Leitão negou as declarações do delator Giovani Guizardi, que o apontou como membro do esquema de fraudes a licitações da Seduc.

FRANCISCO BORGES
DA REDAÇÃO



O deputado federal Nilson Leitão (PSDB), criticou o uso do acordo de delação premiada como condenação e refutou as declarações do delator da Operação Rêmora, o empreiteirio Giovani Guizardi, negando que tivesse qualquer envolvimento no esquema, que teria desviado cerca de R$ 56 milhões em licitações de obras da Secretaria de Educação do Estado (Seduc).

O tucano foi citado por Guizardi como coordenador do núcleo político dentro da Seduc e apontado como o 'padrinho' que teria indicado o ex-secretário da pasta Permínio Pinto para o cargo, o que também foi negado por Leitão. 

O deputado diz que não conhece Guizardi e que nunca teve contato com ele. Também não soube dizer os motivos que teriam levado o empresário a envolver seu nome na delação premiada que fez junto ao Ministério Público Estadual (MPE). Guizardi envolveu o nome do deputado até mesmo beneficiário de supostas propinas.  

“O que está acontecendo é que quem é citado praticamente já vira réu. Isso está acontecendo com pais de família comum, com cidadão simples fora da vida pública e dentro da vida pública", disse Leitão.

O parlamentar condenou o sistema adotado no país referente à citação de pessoas em processos jurídicos e disse que atualmente os casos em Mato Grosso estão praticamente virando uma espécie de “execução sumária em nome de algumas pessoas”.

"Era um nome que o PSDB tinha como pré-candidato, inclusive a prefeito. Confio no Permínio, mas é um caso que se houve erro ele terá que pagar”, argumentou.

“O que está acontecendo é que quem é citado praticamente já vira réu. Isso está acontecendo com pais de família comum, com cidadão simples fora da vida pública e dentro da vida pública", disse.

Quanto à indicação de Permínio, [preso desde junho no Cenmtro de Custódia de Cuiabá], pelo PSDB, Leitão ressaltou que o nome do ex-secretário era o mais cotado para ser o titular da pasta na época em que Taques buscava alterar o comando da Seduc. “Permínio é uma pessoa muito elogiada no meio. Foi secretário municipal de Educação, sub-secretário da gestão de Dante de Oliveira. Uma pessoa respeitada e era um nome que o PSDB tinha como pré-candidato, inclusive a prefeito. Confio no Permínio, mas é um caso que se houve erro ele terá que pagar”, argumentou.

O MPE reverteu as provas para a Procuradoria Geral da República (PGR), que decidiu que não vai prosseguir com as investigações por falta de indícios.

Leia mais

Sem provas, MPF deve refutar investigação contra Pedro Taques e Nilson Leitão

Gaeco encaminha a Janot delação premiada de empreiteiro contra Taques e Leitão

Promotor diz que Rêmora deve ter nova fase após delação de empreiteiro

Comente esta notícia

Galileu 12/12/2016

Esse nobre parlamentar ainda não desvinciliou do desvio de recurso da obra de saneamento de Sinop caso Gautama de Zuleido Veras quando era prefeito.Será que ele não sensibiliza com a falta de dinheiro para os postos de saúde? Se foi citado na corrupção da Seduc é porque alguma coisa houve.

A Candido 12/12/2016

Concordo Nilson, vocês são todos santos, aliás acho até que vocês deveriam tentar a carreira eclesiástica. Provavelmente seriam canonizados.

Murilo 11/12/2016

So pode se for contra o PT???? A Dilma nem é ré e o sr votou pela afastamento dela!!!...

3 comentários

1 de 1