facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 19 de Junho de 2024
19 de Junho de 2024

11 de Junho de 2024, 07h:00 - A | A

POLÍCIA / PRODUZIA SHOWS DO CV

Vereador diz que é amigo de promotor de eventos há mais de 20 anos e confirma que o indicou para ser assessor Câmara de Cuiabá

Ambos foram alvos da Operação Ragnatela, que apura um esquema de lavagem de dinheiro do Comando Vermelho por meio de casas noturnas em Cuiabá.

DAFFINY DELGADO
DO REPÓRTERMT



O vereador Paulo Henrique (MDB) confirmou que tinha uma amizade de quase 25 anos com o ex-servidor da Câmara de Cuiabá, Rodrigo Leal, preso na Operação Ragnatela, que apura um esquema de lavagem de dinheiro do Comando Vermelho por meio de casas noturnas em Cuiabá. Segundo o parlamentar, ele também foi responsável por indicá-lo para o cargo de cerimonialista no Legislativo.

Vale destacar que o parlamentar também foi alvo da operação deflagrada pela Polícia Federal. Foi cumprido contra ele mandado de busca e apreensão.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Em entrevista à rádio TV Cultura na sexta-feira (07), Paulo Henrique explicou sua relação com Rodrigo, pessoa que segundo o inquérito policial seria o elo entre a facção criminosa e os demais investigados no esquema criminoso.

"O vereador tem seu gabinete e ele faz as contratações. No caso, dentro do inquérito que trata do Rodrigo Leal, uma pessoa conhecida pela sociedade, é um produtor de eventos e é meu amigo há 25 anos", disse.

Leia mais - Relatório da PF aponta transferências entre empresas do CV e vereador de Cuiabá

"Porque o Rodrigo foi o alvo e a indicação do Rodrigo para o cerimonial da Câmara Municipal foi minha, eu poderia dizer que não, mas foi porque é meu amigo", admitiu.

Ainda no inquérito, o vereador foi apontado como 'facilitador' das licenças ambientais para realização dos eventos do grupo, que tinha o objetivo de lavar o dinheiro oriundo do tráfico de drogas. Isso, porque Paulo Henrique é servidor de carreira da Secretaria Municipal de Ordem Pública e Defesa Civil de Cuiabá (SORP). 

Apesar da amizade de longa data, Paulo Henrique negou ter qualquer envolvimento com o crime organizado e ainda sugeriu que a relação de ambos é que pode ter levado a polícia investigá-lo.

"O Rodrigo é meu amigo e produtor meu, não sei se vocês conhecem o bloco a Confraria do Bode. [...] Agora, saber o CPF da pessoa, o que ele faz, isso não vem a mim".

Comente esta notícia