facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 26 de Maio de 2024
26 de Maio de 2024

16 de Dezembro de 2010, 10h:00 - A | A

POLÍCIA /

Sindicato quer que Estado indenize agente que teve mão decepada por granada

Diário de Cuiabá



DIHEGO MAIA

O Sindicato dos Servidores do Sistema Penitenciário de Mato Grosso (Sindispris) vai ingressar na Justiça com uma ação de reparação de danos contra o Estado em prol do agente prisional Adão Ramos da Silva, 50 anos, que teve a mão direita dilacerada devido à explosão de uma granada que também atingiu outros dois agentes e provocou ferimentos leves. Eles participavam do Curso de Operações Penitenciárias Especializadas (Cope). Segundo Adão, a granada que explodiu era fabricada pela Índios Pirotecnia LTDA, empresa radicada em São Paulo.

Relatório de Segurança elaborado pela própria PM condenou o uso dos artefatos produzidos pela empresa em junho deste ano, já que durante os testes se comprovou que as granadas apresentavam altíssimo risco à vida dos militares.

No entendimento do advogado do Sindispris, Carlos Frederick Almeida, o Estado praticou um ato imprudente ao submeter os agentes prisionais a um treinamento com granada imprópria. “O Estado assumiu um risco de produzir um dano ainda mais perigoso. A responsabilidade do Estado é objetiva. A falta de competência foi muito grande”, enfatiza Almeida.

Exames médicos e de corpo e delito, depoimentos de testemunhas e o relatório de segurança confeccionado pelo Batalhão de Operações Especiais (Bope), obtido com exclusividade pelo Diário, servirão de base para a ação que será interposta na Justiça após o término do recesso forense.

Para o presidente do Sindispris, João Batista Pereira de Souza, o objetivo da ação é responsabilizar os culpados pelo acidente. “Queremos que seja apurado toda a situação. Se houve imprudência ou não do CFAP – Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças. Esse artefato não poderia ter sido utilizado”, comenta Souza.

TREINAMENTO – Em depoimento prestado à Polícia Civil, o agente Adão Ramos da Silva disse que a explosão ocorreu quando iria efetuar o quarto lançamento de granada. Na linha de tiro, além dele, estavam posicionados outros 14 agentes. Adão ainda disse que percebeu algo estranho no artefato, levantou a mão esquerda para comunicar ao instrutor o problema, mas não houve tempo e a granada explodiu. Um outro agente, sem se identificar, confirmou à reportagem que Adão fazia lançamento com granadas da Índios. Três granadas lançadas por outros agentes não explodiram.

Os agentes responsáveis pela guarda nas muralhas dos presídios, escoltas policiais e pela contenção de rebeliões no Estado terão que trabalhar armados. Segundo a Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), os agentes substituirão gradativamente os policiais nessas atividades e, para isso, terão que passar por capacitação com armas.


>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Comente esta notícia