facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 14 de Julho de 2024
14 de Julho de 2024

27 de Outubro de 2017, 10h:22 - A | A

POLÍCIA / EXERCÍCIO ILEGAL DA PROFISSÃO

Polícia indicia falso protético que oferecia serviços na internet

Durante o interrogatório, o falso dentista confessou que também não tem diploma de protético e que aprendeu a fazer prótese com uma irmã que é dentista em Tangará da Serra.

DA REDAÇÃO



A Delegacia Especializada do Consumidor (Decon) investiga o auxiliar de protético Y.T.S.W., de 28 anos, por realizar procedimentos pertinentes à profissão de dentista na Capital. A investigação começou a partir da denúncia do Conselho Regional de Odontologia (CRO-MT) feita na Polícia Civil, sobre clareamentos e próteses dentárias em geral, realizados pelo acusado. 

O protético foi identificado e interrogado na tarde desta quinta-feira (26), na sede da Decon, em Cuiabá. Ele responderá por exercício ilegal da profissão,  previsto no artigo 282 do Código Penal Brasileiro.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Conforme o delegado Antônio Carlos de Araújo, durante o interrogatório, o falso dentista confessou que também não tem diploma de protético e que aprendeu a fazer prótese com uma irmã que é dentista em Tangará da Serra.

Ele assumiu ter conhecimento de que não poderia exercer a atividade.

Seu faturamento mensal com os atendimentos girava entre R$ 1,5 e R$ 2 mil.

Os serviços eram oferecidos em redes sociais e sites de compra e venda na internet e os atendimentos feitos nas casas dos clientes.

Tanto os procedimentos ofertados quanto os atendimentos em casa são proibidos aos técnicos em próteses dentárias, atividade somente permitida ao profissional formado em Odontologia.

Fiscalização do CRO

Em entrevista ao no dia 8 de outubro, o presidente do Conselho Regional de Odontologia (CRO) de Mato Grosso, Luiz Evaristo Ricci Volpato, alertou sobre a quantidade de falsos dentistas e a dificuldade em fiscalizar o mercado.

De acordo com Volpato, somente em 2017, já foram identificados pelo menos seis pessoas atuando de forma ilegal, causando prejuízos para a saúde de muitas pessoas.

Mau serviço

Em junho deste ano, a jovem Maria Clara Borges, de 20 anos, sofreu graves consequências em decorrencia de um procedimento odontológico mal sucessido realizado pelo dentista Ailson Nascimento, que atende na Clínica Odonto Excellence, em Várzea Grande.

Conforme relatos da vítima, ela procurou a clínica para tratar um canal e acabou sofrendo forte hemorragia durante o procedimento, que causou grave infecção. Ela foi levada pela família a um hospital, onde permaneceu internada por quatro dias.  

Maria Clara procurou a clínica para explicar os problemas e dores que enfrentava, mas a clínica colocou a culpa na própria vítima. 

A família da jovem denunciou ao CRO o dentista Ailson Nascimento e a clínica pelo mau procedimento e falta de suporte pós cirúrgico à vítima, além de processar ambos judicialmente.

Leia mais

Falsos dentistas atuam em MT; CRO tem dificuldade para fiscalizar

Jovem tem grave infecção após tratamento; clínica coloca culpa em paciente

Comente esta notícia