Cuiabá, 12 de Agosto de 2022
logo

27 de Dezembro de 2017, 10h:12 - A | A

POLÍCIA / ASSASSINATO DE POLICIAL

Justiça nega liberdade à mulher acusada de matar marido

Deise Ribeiro de Oliveira teria executado o policial com a arma dele e forjado uma falsa situação de latrocínio – roubo seguido de morte.

RAUL BRADOCK
DA REDAÇÃO



O desembargador Pedro Sakamoto, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, negou o pedido de liberdade de Deise Ribeiro de Oliveira, 22 anos, apontada como autora dos disparos que vitimou seu companheiro e policial militar Moshe Dayan Simão Kavesk.

O crime aconteceu no último dia 4 de dezembro, no distrito União do Norte, em Peixoto de Azevedo (691 km ao Norte de Cuiabá).

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

A defesa da acusada entrou com dois recursos de soltura, um no TJ e o segundo na própria comarca de Peixoto de Azevedo, porém ambos foram negados.

No caso do TJ, o habeas corpus foi negado devido à tramitação irregular do pedido. “Ante o exposto, e por não visualizar manifesta ilegalidade no decreto constritivo, indefiro a liminar vindicada, devendo a irresignação defensiva ser objeto de deliberação após a tramitação regular do habeas corpus”, discorre o desembargador Pedro Sakamoto, na decisão proferida no dia 14 de dezembro.

Já em Peixoto de Azevedo, a juíza Suelen Barizon também negou o pedido de liberdade no dia 18 de dezembro. Segundo a magistrada, a gravidade do delito é motivo suficiente para manter a mulher presa.

“Verifico que o decreto prisional preventivo está devidamente fundamentado e por este motivo merece ser mantido. E embora a defesa tenha mencionado que a indiciada é primária, tem residência fixa e trabalho lícito, é cediço que tais predicados pessoais favoráveis, por si só, não servem para desconstituir o édito prisional, sendo necessário que fique devidamente demonstrado que os requisitos da prisão preventiva não mais subsistem, conforme previsão do artigo 316 do Código de Processo Penal, o que não é a hipótese dos autos”, afirma a magistrada, na decisão.

A acusada, permanece detida por força de prisão em flagrante, que foi convertida em preventiva. “Diante do exposto, INDEFIRO o pedido de revogação da prisão preventiva de Deise Ribeiro de Oliveira, mantendo a decisão que decretou a sua segregação cautelar, pelas razões e motivos nela expostos”, decidiu Barizon. 

O caso

O assassinato aconteceu por volta das 20h dia 4 de dezembro, quando o militar estava chegando em casa com a esposa, em uma motocicleta.

Depoimento de uma testemunha é 'peça chave' nas investigações que estão em andamento. 

A testemunha disse que naquela noite o militar havia agredido a mulher com um soco na barriga. A testemunha ainda relatou um suposto caso amoroso entre os suspeitos.

Leia mais

Juiz decreta prisão de mulher acusada de matar marido PM a tiros

Policial foi morto pela esposa com a própria arma com tiros na cabeça e peito

Policial militar é executado a tiros; mulher depõe como suspeita

Comente esta notícia