Cuiabá, 29 de Novembro de 2022
logo

10 de Novembro de 2016, 11h:50 - A | A

POLÍCIA / PELA SEGUNDA VEZ

Comerciante é preso acusado de estuprar menina de 8 anos

Acusado nega conhecer a menina. Esta é a segunda vez que ele é preso ao ser acusado de abuso sexual contra menor de idade. Ele afirma que irá provar sua inocência.

JÉSSICA MOREIRA
DA REDAÇÃO



O comerciante Eduardo Acassio de Oliveira, 55, foi preso na tarde desta quinta-feira (9), em Peixoto do Azevedo (691 km de Cuiabá), acusado de abusar sexualmente de uma menina de 8 anos.

Segundo a Polícia Militar, a vítima foi encaminhada por familiares ao posto de saúde da cidade com sangramento na genitália. A enfermeira que atendeu a menina confirmou que ela tinha sido estuprada. Imediatamente ela acionou o Conselho Tutelar.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

A menina relatou aos conselheiros que o comerciante possui uma mercearia e costumava beijar as crianças na boca, pois muitas vezes ele fechava o local com uma grade, o que impedia a entrada dos clientes.

A criança contou aos policiais que o comerciante a levou para um local mais escuro da mercearia, onde começou a beijá-la e a estuprou. Quando voltou para casa, ela reclamou de dores na genitália e a mãe a levou até a unidade de saúde.

Ainda segundo a Polícia, no momento da prisão outras crianças contaram que o comerciante costumava beijá-las na boca, mas nenhuma delas relatou sofrer abusos. O acusado não apresentou resistência à prisão.

Na delegacia ele disse que é a segunda vez que é acusado de abusar sexualmente de menores. No ano passado ele chegou a ser preso, mas foi inocentado após a conclusão do inquérito. Ele nega o abuso e afirma que irá provar a inocência assim como no outro caso.

“Juro perante a Deus que eu não sei a história. Eu tenho certeza absoluta que não fiz isso e vou provar”, disse o acusado à imprensa local.

O comerciante também disse que muitas crianças costumam ir à mercearia comprar doces e negou conhecer a meenina que fez as acusações contra ele.

O caso é investigado pela Polícia Civil. A vítima foi encaminhada para o Instituto Médico Legal (IML) para fazer exame de corpo de delito, o resultado deve sair até o fim do mês. 

Comente esta notícia