Cuiabá, 29 de Janeiro de 2023
logo

18 de Dezembro de 2014, 09h:47 - A | A

POLÍCIA / MUNDO CÃO

Avó aciona PM e acusa nora de ter espancado a neta em Várzea Grande

O caso foi denunciado pela sogra da mulher, que percebeu os hematomas na menina e acionou o 4º Batalhão da Polícia Militar.

JOÃO RIBEIRO
DA REDAÇÃO



Patrícia Leite Oliveira, de 24 anos, foi detida suspeita de espancar a própria filha, M.A.O.A., de 8 anos, na noite desta quarta-feira (18), no bairro Jardim Glória II, em Várzea Grande. O caso foi denunciado pela sogra da mulher, que percebeu os hematomas na menina e acionou o 4º Batalhão da Polícia Militar.

Segundo informações do 4º BPM, os policiais foram acionados por volta das 23h50. Ao chegaram na casa da vítima, na Rua Cáceres, a avó da criança denunciou a nora, como agressora da neta.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Os PM’s perceberam que a menina estava com vários hematomas no corpo. A vítima ainda queixava de dores internas. 

Com isso, Patrícia foi levada a Central de Flagrantes da cidade. Na delegacia, ela confessou ao delegado plantonista, que teria batido na filha, porque ela desobedeceu. 

A menina foi submetida ao exame de corpo e delito no Instituto Médico Legal (IML) e a mulher autuada pela agressão. A Justiça pode retirar de Patrícia a guarda da menina. O Conselho Tutelar de VG vai acompanhar o caso.

AGRESSÃO FATAL

Um bebê de 1 ano e 9 meses morreu espancado pelo próprio padrasto, no dia 9 deste mês, no bairro Dom Aquino, em Cuiabá. O suspeito, Tallys Henrique Miranda, fugiu no dia do crime, mas se apresentou na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da capital, três dias depois.

Ao delegado André Renato, ele confessou que deu um chute forte nas costas da criança, na intenção de não deixa-la pegar em um fio elétrico, desencapado.

De acordo com Tallys, a mulher, Danyella Jhéssica Batista, de 23 anos, também teria agredido o filho H.B.G, que morreu no box de emergência do Hospital Geral Universitário (HGU). A hipótese está sendo investigada. 

Após o depoimento, Tallys foi levado a Penitenciária Central do Estado (PCE), em razão de uma prisão temporária expedida pela Justiça, contra ele.

Comente esta notícia